Curta brasiliense é selecionado para festival norte-americano

O filme estará no Tennessee em outubro

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 11/09/2017 17:46 / atualizado em 11/09/2017 17:46

Divulgação

 

O curta-metragem 1x1, de Ramon Abreu, foi selecionado para mais um festival de renome. O International Black Film Festival seleciona as melhores produções com foco em retratar a diversidade e a representatividade.

  

O curta se passa numa Brasília muito atual, abordando os conflitos entre polícia e sociedade e a criminalidade de jovens. Realizado com o Fundo de Apoio à Cultura (FAC), a produção cinematográfica alcançou grande visibilidade.

 

A trama conta a história de um vendedor de semáforo que é baleado por um policial e recebe cuidados de um médico no hospital durante a recuperação. Tempos depois, as vidas do médico e do paciente se cruzam em uma situação conflituosa. A temática da criminalidade e da desigualdade social estão muito presentes no filme.

 

Outras indicações

1x1 foi selecionado para ser exibido no 50º Festival de Brasília, com início nesta sexta-feira (15), e irá concorrer ao Troféu Câmara Legislativa. O curta foi um dos 13 selecionados para disputar o prêmio, os vencedores serão divulgados em  24 de setembro. A premiação faz parte do Festival.

 

O International Black Film será entre 5 e 8 de outubro em Nashville, no Tennessee (EUA). Confira os outros selecionados no site.

 

Confia o trailler de 1x1

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
ercilia
ercilia - 12 de Setembro às 00:20
Tema de "direitos humanos" não é atual, é clichê para quem não é gringo e conhece as "várias atualidades". Misturaram realidade de Brasilia com a realidade do Rio para tentar ludibriar alienados. Atual é ver o tanto de trabalhadores que sofre na mão de bandido nas satélites de Brasilia e a classe média que se esconde dentro dos seus automóveis e áreas nobres, a mesma que explora dos trabalhadores das satélites e contribui para a desigualdade no DF. Produção maravilhosa, mas peca na manipulação dos "fatos reais."