Novos discos confirmam a diversidade da música instrumental brasileira

Lançamentos vão do metal ao choro. Confira as novidades do mercado fonográfico!

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

Reprodução/Internet
 

O Brasil sempre foi celeiro de grandes músicos. Do metal ao choro, exímios instrumentistas existem em profusão pelo país afora. A música instrumental brasileira, por consequência, é das mais ricas, mesmo que, em alguns casos, seja mais celebrada lá fora do que aqui.


 
Diversos lançamentos mostram que o som brasileiro continua em efervescência. Do cello ao violão, do jazz ao erudito, novos trabalhos  movimentam a cena instrumental do país. O Correio selecionou alguns dos discos instrumentais lançados no Brasil recentemente.
 
Duo Santoro faz uma homenagem  ao Rio de Janeiro em novo álbum
Paisagens cariocas é o segundo disco do Duo Santoro. Formado pelos violoncelistas cariocas Paulo e Ricardo Santoro (eles são gêmeos), o duo foi criado em 1990 e demorou 23 anos para lançar o primeiro disco, Bem brasileiro (em 2013). No novo álbum, Paulo e Ricardo fazem uma homenagem à terra natal e se inspiram no Rio de Janeiro para alcançar a sonoridade sofisticada e brasileira. No repertório, há clássicos da música brasileira como Dindi (Tom Jobim), Melodia sentimental (de Heitor Villa-Lobos) e Brasileirinho (de Waldir Azevedo).

Paisagens cariocas
Duo Santoro. Tratore. 17 faixas. R$ 29,90.

Quarteto Ludere mistura jazz à música brasileira em Retratos


 Reprodução/Internet

Filho do icônico violonista e compositor brasileiro Baden Powell, o pianista Phillipe Baden Powell criou o quarteto Ludere, em 2015, ao lado do trompetista Rubinho Antunes, do contrabaixista Bruno Barbosa e do baterista Daniel de Paula. Retratos é o segundo álbum do grupo. No disco, os músicos misturam o jazz contemporâneo à música brasileira. O quarteto assina as oito composições de Retratos.

Retratos
Ludere. Independente. 8 faixas. Disponível nas plataformas digitais.


Violonista Rogério Caetano apresenta projeto com convidados

Reprodução/Internet
 

Natural de Goiânia, Rogério Caetano se formou em violão na Universidade de Brasília (UnB). Um dos grandes nomes no instrumento, Caetano começou, em 2015, um projeto de shows em que reunia convidados no Rio de Janeiro. Do registro de algumas dessas gravações surgiu o álbum Rogério Caetano convida, que traz nomes como Yamandu Costa, Hamilton de Holanda e Cristóvão Bastos. "É um projeto que está me fazendo aprender, amadurecer, e que me possibilita dividir com o público uma música feita na hora, à vera, de um jeito despojado", diz Caetano na apresentação do álbum.

Rogério Caetano convida —  Ao vivo no Rio
Rogério Caetano. Biscoito fino. 14 faixas. R$ 33,90.


Trio Paineiras apresenta músicas de compositores contemporâneos

Reprodução/Internet

O grupo formado pelo sergipano Batista Jr. (clarinete), pelo paulista Marco Catto (violino e viola) e pela paranaense Marina Spoladore (piano) apresenta músicas de compositores contemporâneos. O álbum foi lançado pelo selo A casa e contou com a colaboração do compositor e produtor Sergio Roberto de Oliveira, morto em 2017. Sergio criou o selo e auxiliava projetos como o álbum para ajudar a dar visibilidade à música erudita contemporânea feita no Brasil. Paineira (Barriguda), uma composição dele, em três atos, é um dos destaques do disco.

Trio Paineiras interpreta compositores de hoje
Trio Paineiras. A casa. 14 faixas. R$ 30.


Trombonista Jorginho Neto explora o jazz com outros ritmos em Harlem

 

Reprodução/Internet

Em Harlem, o trombonista Jorginho Neto promove o encontro do jazz com o funk e acrescenta ainda a essa mistura pitadas de rap, gafieira e samba. O álbum é o primeiro de Jorginho Neto Collective, o grupo tem, além do trombonista, Sidmar Vieira (trompete), Robson Couto (baixo), Gustavo Bugni (piano) e Vitor Cabral (bateria). Cinco das oitos músicas do disco são assinadas por Jorginho. Um dos destaques é Amazing grace, dedicada ao líder pela luta dos direitos dos negros nos EUA Martin Luther King.

Harlem
Jorginho Neto Collective. Tratore. 8 faixas. Disponível nas plataformas digitais.


O brasiliense Eudes Carvalho explora o jazz em Paisagem sonora

 

 

O brasiliense Eudes Carvalho descobriu na Escola de Música de Brasília (EMB) o gosto pelo jazz. Guitarrista, ele estudou na Universidade de Louisville ao lado de nomes como Eddie Gomez e Lionel Loueke. Em Paisagem sonora, Eudes apresenta um registro guitarrístico de 11 composições. Sete deles são do próprio músico. No álbum, ele é acompanhado pelo contrabaixista Oswaldo Amorim, pelo pianista Misael Silvestre e pelo baterista Pedro Almeida.

Paisagem sonora
Eudes Carvalho. Independente. 11 faixas. Disponível nas plataformas digitais.



O violinista Ricardo Herz gravou Duo ao lado do pianista Nelson Ayres

 

Divulgação/RvonKruger
 

Mesmo com formação erudita, Ricardo Herz sempre levou o violino para o centro da música popular, às vezes soando até como rabeca. Em parceria com o pianista Nelson Ayres, ele lança agora Duo. O álbum tem 11 composições (10 delas assinadas por Herz ou Ayres). Embora flerte em alguns momentos com a música erudita e com o jazz, Duo é um álbum de música popular brasileira assinado por dois virtuoses.

Duo
Nelson Ayres e Ricardo Herz. Tratore. 11 faixas. R$ 29,90.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.