Novas opções no cinema vão do romance ao terror

No destaque do leque de estreias estão filmes como A guerra dos sexos, com Steve Carell, e Bom comportamento, com Robert Pattinson

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 19/10/2017 07:33 / atualizado em 18/10/2017 18:42

Reprodução/ Internet

 
Passados quase dez anos, pouca gente esquece da lufada de renovação impressa pela dupla de cineastas Valerie Faris e Jonathan Dayton, que chegaram à reta final da corrida pelo Oscar, com o título alternativo Pequena Miss Sunshine. Novamente com Steve Carell no elenco, e junto com o habitual roteirista dos filmes do inglês Danny Boyle, Simon Beaufoy (Quem quer ser um milionário?), os diretores comandam a trama de A guerra dos sexos, baseada em episódios verídicos ocorridos em 1973. Numa luta por igualdade de direitos, e sob a intensa exposição midiática, Billie Jean King (a ganhadora do Oscar Emma Stone) foi uma jogadora de tênis que enfrentou, nas quadras, o ex-campeão mundial Bobby Riggs (Steve Carell). A guerra dos sexos ainda traz no elenco Elisabeth Shue (de Despedida em Las Vegas).

Uma disputa bem mais feroz promete mover A comédia divina, que contrapõe os feitos de uma jornalista chamada Raquel (papel de Monica Iozzi) e o diabo, em carne e osso, que, com senso de capitalização, instala uma igreja em meio ao cotidiano dos meros mortais. O papel de protagonista foi reservado ao brasiliense Murilo Rosa. Thiago Mendonça, pela primeira vez, dá vida ao personagem Lucas, um produtor amargurado por lidar, diariamente, com a ex, Raquel (que, na trama, se apaixona pelo personagem de Dalton Vigh). No passado, um habitué do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro (premiado com filmes como Cabra-cega e Latitude zero), o cineasta Toni Venturi comanda A comédia divina, com a inclinação popular já presente no documentário Rita Cadillac – A lady do povo.
 
 
 
Com franco apelo de público, outra atração que estreia hoje é Tempestade: Planeta em fúria, filme assinado pelo corroteirista de Independence day: o ressurgimento (2016) Dean Devlin. No novo filme de desastre natural, Devlin comanda um enredo que mostra um especialista na criação de satélites (Gerard Butler) que, frente a iminente caos, tem que se aliar ao impertinente irmão interpretado por Jim Sturges (Jogada de mestre). O filme ainda tem a participação da atriz Abbie Cornish, reconhecida por ter sido dirigida por José Padilha, no longa-metragem Robocop.

Também tratando, em parte, da separação forçada entre irmãos, o longa-metragem Bom comportamento, assinado pelos irmãos Ben e Josh Safdie (donos da cena alternativa, no cinema novaiorquino), é outra atração nas telonas, a partir de hoje. Lembrados pelo recente Amor, drogas e Nova York (2014), os irmãos Safdie competiram, com Bom comportamento, ao Festival de Cannes, vencido pelo filme sueco The square. O longa, que venceu a categoria de melhor trilha sonora atribuída a Daniel Lopatin, coloca em primeiro plano o ator Robert Pattinson, intérprete de Constantine, cujo irmão é preso ao tomar parte de um plano de assalto comandado pelo irmão mais velho.

O rapaz preso, que ganha traços de deficiente mental (num papel reservado ao próprio Ben Safdie), é interpretado pelo astro de A saga crepúsculo (Pattinson), novamente tentando se descolar da imagem de vampiro, na linha das fitas alternativas comandadas por mestres como David Cronenberg e James Gray. Experientes na linha de filmes independentes, os atores Diego Luna (astro inesperado de Rogue one: Uma história Star Wars) e Ellen Page (Amor por direito) são as estrelas do longa Além da morte, criado pelo dinamarquês Niels Arden Oplev, do novo clássico Os homens que não amavam as mulheres (2009).

Entre o terror e o suspense, Além da morte investe nas experiências de quase morte cumpridas por um grupo de curiosos estudantes que chegam ao extremo de terem o coração removido. Com enredo similar ao de Linha mortal (1990), que reuniu os talentos de Julia Roberts e Kiefer Sutherland, os protagonistas agonizam, enquanto, à beira da morte, revivem pecados e passam por experiências traumáticas, física e mentalmente.


Choques de romance

Mudanças de comportamento e alterações físicas fazem parte da rotina de personagens destacados em Doentes de amor, assinado pelo mesmo romântico Michael Showalter, projetado pelo longa Doris, redescobrindo o amor. Bem reconhecida pela presença luminosa em Ruby Sparks – A namorada perfeita, a atriz Zoe Kazan (neta de um dos maiores cineastas da história, Elia Kazan) estrela a fita, ao lado do comediante Kumail Nanijani. Na trama, não é apenas o choque cultural promovido pelo paquistanês que salta aos olhos: a moça, de origem muito tradicional, passa ao estado de coma, por causas desconhecidas. Nome de peso no enredo está em Holly Hunter (atriz que ganhou o Oscar por O piano).

Finalmente, o circuito de cinema recebe um título que faz parte do imaginário corriqueiro de qualquer cinéfilo: De volta para casa. O fato é que não se trata de novidade falar do retorno de quarentões para as cidades de origem, nos cinemas. No caso é a estreante Hallie Meyers-Shyer (atriz de O pai da noiva e Do que as mulheres gostam) quem comanda a trama protagonizada por Reese Witherspoon e pelo ator Michael Sheen (astro de A rainha e Frost/ Nixon). Na fantasiosa trama, Alice é a personagem recém-divorciada que, ao acaso, abriga três aspirantes a cineastas dentro da nova casa. Está aberta a temporada para a ciranda amorosa.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.