Adriana Ramos lança livro 'A menina do espelho'

Primeira obra da escritora será lançada nesta terça, no NA 15 Bar

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
Arquivo Pessoal/Divulgação

Para Adriana Ramos de Almeida, a ideia de escrever o primeiro livro, A menina do espelho, veio como uma possibilidade de expandir seu processo de cura. Servidora pública, Adriana decidiu seguir a dica dada por amigos e familiares, que perceberam que sua experiência com o adoecimento e o surgimento do câncer se transformava, de diversas maneiras, em algo positivo e renovar.

O objetivo era compartilhar essa transformação, além de tentar ajudar mais pessoas a dar outro significado para experiências que, a princípio, são devastadoras. Possibilitar que mais gente possa sair melhor de experiências difíceis, essa foi a grade motivação.

O livro se transformou em um importante processo de cura e registro para Adriana, que tem uma relação especial com a escrita, apesar de nunca ter pensado seriamente em ser escritora. “Escrever não foi a parte mais difícil. Ao contrário, foi curativo, organizador. O mais difícil foi a decisão de publicar. Só consegui quando entendi que não era sobre mim, que era sobre servir”, destaca.

Os primeiros textos foram criados em uma atmosfera de crescimento pessoal e autoanálise. No meio do caminho, veio o câncer, que radicalizou e aprofundou seu caminho entre as palavras e o mergulho na escrita pessoal com toques de literatura ficcional. “O livro é uma mistura: tem a narrativa do meu tratamento e tem também textos simbólicos, meio ficcionais e outros poéticos. Mas acho que o conjunto é uma aventura”, conta a autora.

Para Adriana, o livro fala de içar velas e navegar nos mares bravios da alma, se perder em calmarias e enfrentar monstros horrendos. Todas as alegorias da ficção se misturam entre o cotidiano forte e difícil de quem enfrenta um problema de saúde. Ao mesmo tempo, a autora conta ter descoberto, no meio do caminho, que tudo pode ser transformado em uma grande alegria, inclusive suas transformações. “O câncer de mama foi apenas um episódio dessa jornada. O mais eloquente e talvez mais generoso. O grande e definidor portal que tive que atravessar”.

Em um trecho importante da obra, Adriana conta sobre a descoberta do câncer, e lembra que sempre foi muito saudável, mantendo uma boa alimentação e exercícios constantes. “Sou solar, gosto de cantar, tenho amigos maravilhosos e faço psicoterapia desde os 25 anos. Por tudo isso, a notícia do câncer de mama me pareceu uma traição. Achava que era o tipo de pessoa que nunca precisaria de uma lição como essa”, conta entre as páginas.

O livro se mistura e se alterna entre a prosa e a poesia, a ficção e a realidade. Os sentimentos despertados em cada fase do processo de reconhecimento, transformação e superação da doença, são retratados de maneira abstrata e têm grande relação com as motivações internas da autora. Essa exposição da própria vivência tem como objetivo alcançar de maneira mais profunda e eficiente seus leitores, mostrando a cada um a possibilidade de enxergar de maneira diferente os próprios problemas.

A menina do espelho 
De Adriana Ramos de Almeida, lançamento nesta terça (24/10), no NA 15 Bar (QI 15, Lago Sul), às 19h.
 
 
 
 
 
 
 




Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.