'Êxodos', de Sebastião Salgado, encerra temporada neste domingo

A exposição 'Êxodos' se encarrega de expor fotografias a respeito das migrações nos diversos contextos do mundo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 25/10/2017 16:18 / atualizado em 25/10/2017 16:42

Sebastião Salgado

 
A exposição Êxodos do fotógrafo Sebastião Salgado, chega ao último fim de semana em Brasília, na Caixa Cultural. Até domingo, é possível conferir a mostra que representa, em imagens, a fuga de pessoas em diferentes partes do mundo. Na concepção dos registros que compõem a obra, Salgado teve que percorrer mais de 40 países, ao longo de seis anos.

Ao estrear Êxodos, em 2000, o fotógrafo chegou a afirmar ao Correio o desejo em levar a obra a Brasília. Segundo ele, os políticos deveriam ver tamanha realidade. Após 17 anos, o sonho não se realizou por completo - das 300 fotografias da série, apenas 60 vieram para a capital. Dividida em cinco partes, a exposição se encarrega de mostrar migrantes, exilados e refugiados que lutam para fugir da pobreza, da repressão ou da guerra. 

Salgado se dedica a eternizar, nas imagens, aqueles que fizeram do êxodo uma escolha, voluntária ou não, de vida. O artista ainda se dedica, em uma das séries, à representação das crianças. Rose Lima, responsável pelo projeto expográfico, não hesita: “Diante de tanta dor, caos e sofrimento, Salgado mostra as crianças como forma de representar a esperança de que dias melhores virão.”

Para a diretora responsável pela exposição, Elaine Hazin, o fotógrafo é considerado um dos maiores em atividade pelo teor social que carrega nas imagens. “Sebastião traz uma reflexão humanitária e desperta no público um olhar de identificação com todos. Ele é um dos maiores por retratar o sentimento humano de forma autêntica”, comentou, em entrevista ao Correio, na semana de abertura da exposição.

A coleção com 60 pôsteres foi doada por Lélia Wanick e Sebastião Salgado ao Instituto Terra, ONG ambiental que fundaram em 1998, em Aimorés (MG). A entidade atua na recuperação da Mata Atlântica, na proteção de nascentes, na educação ambiental e na pesquisa científica aplicada, bem como na promoção do desenvolvimento sustentável do Vale do Rio Doce.



Serviço
Êxodos
Caixa Cultural Brasília (SBS Q. 4); 30 de agosto a 29 de outubro. Entrada franca. Classificação indicativa livre.






Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.