Franthiesco Ballerini lança livro em que faz o elogio dos poderes suaves

"É importante falar de poder suave hoje porque o hard power anda causando muitos danos no mundo", explica Ballerini

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 04/11/2017 07:30

O que é melhor: ser temido ou ser amado? Essa é a pergunta que o jornalista e professor Franthiesco Ballerini faz em O poder suave (Summus Editorial). O conceito foi formulado pelo norte-americano Joseph Nye durante a década de 1980, mas Franthiesco incorporou uma nova perspectiva. Nye se ateve a estratégias de persuasão leves. No entanto,  Franthiesco aplicou o conceito a sistemas culturais: Hollywood, a arte renascentista, a moda francesa e a música dos Beatles, entre outros. E, no Brasil, ele escolheu o carnaval, a bossa nova e as telenovelas como representantes do poder suave nacional. Para Franthiesco, o conceito de poder suave é de alta pertinência em um mundo dominado pela força das armas, da coerção econômica das imposições da política: “A coerção nunca é a melhor forma de poder”.


Arquivo Pessoal


Como definiria o poder suave?
O termo é uma tradução livre do conceito de Joseph Nye, formulado na década de 1980. Define o poder que é oposto do poder duro, da força, das armas, do exército e da coerção econômica ou política. Ele percebeu que, no final da Guerra Fria, certos países eram muito mais eficientes em suas políticas públicas, mas não necessariamente pelo poder duro da política. Eles vendiam a cultura, a língua ou os esportes. Fiquei apaixonado por esse conceito, só que percebi que ele abordava o poder suave no âmbito das relações internacionais. Eu queria abordar o poder da cultura. Ela tem um poder de convencimento muito maior do que o hard power, o poder pela força.


Por que é importante falar do poder suave neste momento?
Em primeiro lugar, é importante falar de poder suave hoje porque o hard power anda causando muitos danos no mundo. O governo norte-americano, na figura do Donald Trump, e o brasileiro, na figura do Temer, têm erodido os dois países. Tenho lido vários artigos mostrando que o Brasil teria um poder muito menor no mundo se não fosse pelos poderes suaves que temos aqui.


Quais são os poderes suaves do Brasil?
Os mais importantes são o carnaval, a bossa nova e as telenovelas. O carnaval é a maior festa do planeta, não apenas para os brasileiros, seduz o mundo inteiro. Vender a imagem de que somos um povo que celebra a vida. Outro poder suave importante  no âmbito privado é a telenovela, ela é poderosa para a imagem do país.  Foi capaz de fazer um país gigantesco como a China parar para assistir a A escrava Isaura, que não tem nada com a cultura deles. A novela Sinhá Moça conseguiu interromper, por instantes, os conflitos na África. Tem um poder interno e externo de sedução, de mudar valores, instaurar novos comportamentos e hábitos de consumo. O terceiro é a bossa nova, que já teve um poder muito maior, mas internacionalizou o Brasil, levou uma imagem sofisticada do país para o mundo.


Mas não existem poderes suaves com alta capacidade de alienação cultural e social?
Sem dúvida,  Hollywood reforçou estereótipos altamente perigosos. Criou no imaginário mundial a imagem de que os russos são todos vilões, os vietnamitas são todos baderneiros. Muitos se debruçaram sobre o poder dele, que é, ao mesmo tempo, benéfico e maléfico.Já se debruçou sobre o poder dele, que é benéfico e maléfico. É alienador até para os norte-americano. E, tanto sob o aspecto positivo ou negativo, nem sempre é controlável.  O governo norte-americano tentou controlar Hollywood, mas não deu certo.


Até que ponto Hollywood tornou-se incontrolável e imprevisível na recepção?
Quando os russos viam o filme Todos os homens do presidente,  os militares soviéticos ficavam embascados:  como um país como os EUA falam mal contra eles mesmos? Hollywood ajudou a erodir o poder soviético por dentro. A médio e longo prazos, é preferível ter um poder suave,  é um elemento que se inflitra em outras culturas. Dedico um dos capítulos do livro aos Beatles, as músicas deles viraram hinos no mundo inteiro.


Na era pós-moderna o entretenimento não tomou o lugar da cultura e se reduziu a um poder suave alienante?
Olha, eu acho arriscado generalizar dessa forma. Os Beatles eram também entrenimento. Era um ie-iê-iê britânico. Era mais aceitável do que o punk. Essa é uma fronteira muito porosa, permeável. No final das contas, é o que faz a cultura do país. Por exemplo, Holywood continua muito forte, não mais só pelo cinema, mas também pelas séries.


Existem diferenças entre poderes suaves associados ou não a sistemas de comunicação?
A arte renascente é um poder que existe antes do  Estado italiano. Se tem um país que se beneficiou da arte, é a Itália. A maioria dos turistas chega para conhecer o legado da arte renascentista. Descobri que o valor monetário do quadro da Mona Lisa ultrapassa o PIB de alguns países pequenos da América Central. Mas, claro que não se compara ao poder de alcance dos filmes hollywoodianos.


Que poder suave surpreende no mundo?
A moda francesa é poderosíssima. O termo alta-costura só pode ser usado dentro da França, sob o risco de ser penalizado. Foi elaborado pelos estilistas franceses, é um poder que gira em torno de vestuário, chapéus e perfumes. Eu pensei em tratar da gastronomia ou do cinema francês. Mas não se compara em termos monetários ou ao poder de sedução da moda. O Brasil é quente  e passamos séculos vestidos com roupas altamente incômodas pelo poder do imaginário da cultura francesa.


Os governos também não podem usar esses poderes suaves para manipular as massas?
Poderiam  e, algumas vezes, usam. Mas é complexo e difícil. Ele não é domável, não é controlável. A China tem um poder suave importante, que é a arte milenar chinesa. As figuras das esculturas, dos tecidos, das aquarelas de dinastias antigas. Só que não é tão poderosa quanto Hollywood. O audiovisual é muito mais poderoso. Ela tem consciência e tenta modernizar o poder suave. A China é uma ditadura, reprime a arte, causa uma erosão do poder suave. Apesar de todos os defeitos da política norte-americana, eles estão embaixo de uma democracia.


O que é melhor: ser temido ou ser amado?
De forma alguma, é muito mais eficiente ser amado do que ser temido. Ser temido pode ser eficiente a médio prazo. Ser temido é o que o Putin tenta ser. Mas certamente esse poder pode ser erodido. Obama era amado e a médio prazo levanta uma imagem positiva no mundo, ainda que tenha feito coisas negativas. Isso a cultura faz muito melhor do que os políticos.


Qual a relevância de estudar o poder suave?
Que mundo a gente quer ver? Queremos um mundo de ficção científica, com base no poder das armas, da força, do dinheiro ou queremos os poderes suaves. As armas atribuem um poder de coerção dos países. Nunca é a melhor forma de poder. No Iraque, a estratégia da invasão, da coerção pelas armas e do poder econômico fracassou. Não seria mais eficiente instaurar a democracia e outros valores ocidentais por meio da arte?  Falamos tão mal do nosso país, mas será que gostaríamos de ser um gigante chinês, que cresce avassaladoramente. A imagem do carnaval é negativa pela violência, mas é positiva de um país que celebra a vida, a festa, a sociabilidade. A relevância está em saber que tipo de mundo a gente quer ter para o futuro. O poder suave é uma arma eficiente, mas não deixa de ser uma arma.



O poder suave
De Franthiesco Ballerini/ Summus Editorial 216 páginas
 
 
 
 
 
 
 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.