Christus Nóbrega inaugura instalação inspirada na China

Trabalho é fruto de residência do artista em Pequim e fala da China contemporânea

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 08/11/2017 07:30

 

Christus Nóbrega
 

O artista Christus Nóbrega até tentou aprender mandarim assim que recebeu o convite do ministério das Relações Exteriores para participar de uma residência artística na China. Foram quatro meses para entender que jamais conseguiria aprender a língua, mas poderia mergulhar em um universo totalmente estranho. Christus, então, recorreu a algo mais familiar, o conto O idioma analítico de John Wilkins, no qual Jorge Luis Borges, autor do texto, descreve a existência de uma enciclopédia chinesa de classificações de animais que não obedece, necessariamente, aos ditames da ciência ocidental. E foi assim que o artista desembarcou em Pequim, pronto para tentar encontrar a tal enciclopédia cuja existência tem grandes chances de ser uma fantasia.



Dessa expedição, Christus voltou com Dragão floresta abundante, exposição em cartaz no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) que leva o leitor a uma viagem intrigante e curiosa. “A primeira coisa que fiz na China foi mobilizar as pessoas para me ajudar a encontrar a enciclopédia”, explica o artista. “Borges fala de uma classificação de animais que é diferente porque tem uma categoria da 14 classificações. Ele fala, na verdade, da arbitrariedade das classificações no mundo e cria uma poética.”

 

Christus Nóbrega
 

 

A busca de Christus é também um pretexto para falar de uma China plural. O texto leva a reflexões sobre as relações entre palavra e linguagem e esta última tem uma forte carga cultural. É a partir dela que Christus se transporta para um espaço no qual a linguagem é tão diferente quanto a cultura. “É a tentativa de compreensão de um país em transição entre o comunismo e o hipercapitalismo, sobre o impacto desse hipercapitalismo e sobre todos sermos responsáveis, porque consumimos. Mas também encontrei um país maravilhoso, acolhedor”, conta, ao lembrar que as contradições da China também são importantes e aparecem nos trabalhos da exposição.

Christus usou, principalmente, fotografias para criar a narrativa e tirou o título da transcrição de seu próprio nome em chinês, que se pronuncia Lóng Pèi Sen e cujos logogramas significam dragão, floresta e abundante. Enquanto a exposição estiver em cartaz, o artista também vai disponibilizar uma pequena fábrica de pipas. O público se transformará em funcionário e, a cada 11 pipas produzidas, terá direito a uma com assinatura do artista. A ideia é fazer uma metáfora sobre o lado extremamente industrializado da China. “Criei a fábrica pensando em discutir essa hiperindustrialização e o crescimento chinês”, avisa Christus.


Dragão Floresta Abundante
Exposição de Christus Nóbrega. Visitação até 14 de janeiro, de terça-feira a domingo, das 9h às 21h, no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB - SCES Trecho 2)

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.