Pedro Cardoso deixa programa ao vivo na TV Brasil em apoio a greve na EBC

O ator disse que não participa de programas de empresas que estão em greve e defendeu a atriz Taís Araújo, atacada com declarações racistas pelo atual presidente da emissora

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 24/11/2017 08:52 / atualizado em 24/11/2017 10:03

Reprodução Globo

O ator Pedro Cardoso foi convidado para participar do programa "Sem Censura", da TV Brasil, vinculado à rede EBC. Ao chegar ao local, o ator de deparou com funcionários em greve. Durante a apresentação do programa, ele se recusou a responder uma pergunta da apresentadora em solidariedade aos funcionários da emissora. 

“Não vou responder nenhuma pergunta por que quando cheguei aqui encontrei uma empresa em greve, e eu não participo de programas de empresas que estão em greve”, disse. Há 10 dias, os trabalhadores da EBC declararam estado de greve por conta das propostas de congelamento dos salários e cortes de benefícios. 

Em seguida, o ator também saiu em defesa da atriz Tais Araújo e criticou o presidente da EBC, Laerte Rimoli, que fez declarações racistas ao falar da atriz e do filho dela. "Se esta empresa que é casa do povo brasileiro tem na presidência uma pessoa que fala contra isso (presença do sangue africano visível na pele), eu não posso falar sobre o assunto que eu vim falar aqui. Peço desculpas a todos vocês, respeito o trabalho de vocês, mas eu vou me levantar e ir embora", completou.   
 
 

A EBC comentou o episódio em nota. Diz o texto divulgado pela emissora:
 
"O ator Pedro Cardoso expressou-se livremente no programa Sem Censura desta tarde. Esta postura da EBC é o resultado da diretriz jornalística e profissional implementada pela atual direção da Empresa Brasil de Comunicação.

Nossa programação é a prova viva – e ao vivo – de que esta empresa de comunicação pública é plural, é democrática, acolhe a diversidade de opinião e respeita a lei, inclusive o direito de greve." 
 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.