Guilherme de Pádua vira pastor

Ordenação, 25 anos depois do assassinato de Daniela Perez, foi divulgada pela mulher dele, Juliana Lacerda, nesta terça-feira. "Tudo no tempo do Senhor", disse ela

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 13/12/2017 17:06

Reprodução/Internet

"Enfim, agora pastor Guilherme", disse, em uma publicação no Facebook, a designer de moda Juliana Lacerda, mulher do ex-ator Guilherme de Pádua Thomaz, condenado a 19 anos e seis meses pelo assassinato da atriz Daniela Perez e já em liberdade. "Ele esperou mais de 15 anos para que este dia chegasse, mas, como nós dizemos, tudo no tempo do Senhor", publicou Juliana Lacerda, casada com o ex-ator desde março deste ano.

Na semana passada, Guilherme postou em sua conta na rede social fotos da formatura no Seminário Carisma, da Igreja Batista da Lagoinha. De acordo com o site do curso, o objetivo do seminário é "contribuir para a formação de pastores e líderes de excelência". "Nos conduz a descobrir tantas coisas surpreendentes. Vou sentir saudades! Mas agora é colocar em prática", disse o pastor. 

Em dezembro de 1992, o ex-ator, em parceria da sua primeira mulher, Paula Nogueira Thomaz, mataram a golpes de tesouras Daniela Perez, casada com o também ator Raul Gazolla. Perez foi atraída por Pádua até uma mata, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. Cinco anos depois, ele foi condenado a 19 anos e seis meses de prisão pelo crime. Daniela e Guilherme atuavam juntos em De corpo e alma, como o casal romântico Bira e Yasmin. A trama foi escrita por Glória Perez, mãe da atriz assassinada.

Ele foi colocado em liberdade em 1999, depois de cumprir seis anos, nove meses e 20 dias da sentença, um terço da pena – considerando o período em que esteve na cadeia aguardando julgamento – em uma unidade prisional da cidade fluminense. Depois da liberação, Guilherme retornou a Belo Horizonte e se tornou membro da Igreja Batista da Lagoinha.

*Estagiário sob supervisão do editor Roney Garcia 


Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.