Diferentes tramas a dois se cruzam no palco em '3 casamentos - 1 história'

Espetáculo está em cartaz na cidade e tem no elenco Naura Schneider, Kadu Moliterno, Carlos Simões e Daniel Blanco

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
Pino Gomes/Divulgação

Uma mulher e seus três ex-maridos se encontram para reviver a própria história. Naura Schneider, Kadu Moliterno, Carlos Simões e Daniel Blanco entram em cena para mostrar, de maneira bem-humorada, que caminhos podem tomar os diferentes relacionamentos de uma mesma pessoa. Em 3 casamentos 1 história, os encontros e desencontros de um homem e uma mulher em diferentes fases da sua vida são relembrados para concluir que sempre é tempo de realizar os sonhos.

Schneider interpreta Joana, que decide convidar os três maridos para um jantar e reunir na mesma sala o tempo de história com cada um, que somado, completa a comemoração de Bodas de Prata da anfitriã. Daniel Blanco, que sobe ao palco como Gabriel, o marido mais jovem do elenco, conta que o diretor, José Lavigne, deixou todos à vontade para criar sua própria versão do personagem. Inspirados pela possibilidade de tratar temas pertinentes e comuns ao cotidiano de grande parte dos espectadores, os artistas investiram em personagens leves, com características bem conhecidas entre casais do mundo real. Em cena, a certeza de que as experiências e possibilidades de uma vida a dois são infinitas.

Para Daniel, o principal diálogo criado com o público através da peça é a quebra de preconceitos em relação à mudança de costumes e tradições com o passar dos anos. “O novo é assustador ou negativo pra algumas pessoas. Isso é só por falta de costume de convivência com tais assuntos. Por exemplo, casar mais de uma vez continua sendo motivo de preconceito pra muita gente conservadora”, destaca o ator.

Energia juvenil

Blanco, que transita entre o teatro e a televisão, se empenha para contar a história do terceiro marido da protagonista. Depois de dois casamentos complicados, Joana escolhe uma opção diferente e se casa com um rapaz de 18 anos e hormônios a todo vapor. “Ela casou com ele por não ter que se preocupar com muito mais nada além da parte física. Se aproveita da juventude e da energia de Gabriel para talvez se sentir mais jovem de novo e esquecer dos problemas”, conta o intérprete.

Enquanto isso, Kadu Moliterno interpreta Pedro, que representa um casamento mais longo e antigo, de 13 anos. O personagem está apaixonado por uma nova mulher e mostra uma faceta mais experiente e metódica dos homens. O ator, que prefere trabalhar com o humor no palco, acredita que o público vai se identificar com as possibilidades profundas que aparecem em uma relação.

Quanto ao riso, esta seria a melhor maneira de dialogar em proximidade com quem assiste à história. “O segredo para um bom espetáculo de humor é que os atores se divirtam no palco. O público percebe essa relação e se diverte também”, destaca Kadu.

O convite é para que o público se divirta enquanto se identifica e reflete melhor a respeito da própria história. Prestes de completar 50 anos, Joana quer festejar relembrando a própria trajetória e promove o encontro entre seus três casamentos para completar os 25 anos de uniões e parcerias diversas.

Enquanto isso, Daniel Blanco, que transita entre a TV e o teatro, conta que gosta de trabalhar com os detalhes, seja nos palcos ou seja nas telas. O intérprete lembra que, nos espetáculos teatrais a atenção é focada mais em criar uma familiaridade grande com a história, possibilitando abrir novos caminhos de execução a cada dia, sem engessar a interpretação.

Carlos Simões completa o time do espetáculo que busca mostrar o quando nossas relações influenciam, transformam ou se complementam com a nossa personalidade. As diferenças que transitam entre Joana e seus parceiros refletem as vontades, crenças e desejos que se modificam ao longo da vida. 

Espetáculo 3 casamentos — 1 história
Sábado (16/12), no Teatro Royal Tulip (SHTN Tr. 2), às 21h. Os ingressos custam R$ 80 (inteira) e R$ 40 (meia-entrada) e a classificação indicativa é de 12 anos.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.