Sucesso programado para entreter o público feminino

Um conjunto de mulheres bem-sucedidas está por trás do esperado longa-metragem Fala sério, mãe!, com Larissa Manoela e Ingrid Guimarães, que invadirá as telonas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 28/12/2017 07:45

Internet / Reprodução


No plano dos sonhos, a autora Thalita Rebouças tem guardado, num canto de esperança, a vontade idealizada de um dia vir a trabalhar com as estrelas estrangeiras Julia Roberts, Reese Whiterspoon e Drew Barrymore. Não se trata de megalomania, quando se leva em conta a proeminência da carreira, com a qual ela consolidou números: depois de duas adaptações, outros quatro livros ganharão versões para o cinema; e, sim, numa produção que já alcança 21 livros, a autora que melhor se relaciona com leitores adolescentes, no Brasil, já computou a venda de mais de dois milhões de exemplares. Depois de ter a comédia É fada! assistida por mais de 1,7 milhão de espectadores, Thalita comprovará, a partir de hoje (com a estreia oficial), o poder de fogo da recriação para as telonas de Fala sério, mãe!, que invadirá 516 telas.

Dois nomes do elenco atestam o potencial de popularidade latente no filme: ao lado do ícone adolescente Larissa Manoela (que, só com o hit Carrossel 2: O sumiço de Maria Joaquina, levou mais de 2,5 milhões), paira um símbolo de êxitos para filmes nacionais — a atriz Ingrid Guimarães, dona de quase 20 participações em filmes, e que, na última década, esteve no elenco de longas assistidos por mais de 18 milhões de brasileiros. “O filme vem com duas atrizes talentosíssimas e ainda colabora na mudança deste crescente de representatividade da mulher no cinema. A Ingrid Guimarães é uma grande referência nesse mercado, né? Gosto muito dela e da Fabiana Karla, com quem quero muito trabalhar. Com a Ingrid, eu quero trabalhar pra sempre”, comenta Thalita Rebouças.

No dia do 17º aniversário, a atriz paranaense Larissa Manoela, alçada, nos cinco últimos anos, à condição de símbolo teen, está comemorando na Flórida a projeção no cinema nacional. Autora dos livros O diário de Larissa Manoela e O mundo de Larissa Manoela, a estrela do longa Meus 15 anos (visto por 742 mil espectadores) tem o desejado terceiro lugar quando o assunto é a busca por celebridades na internet. Ela só perde para Neymar e Anitta. A comunicação e a imediata identificação com os fãs é tão natural quanto a disposição de Larissa Manoela dialogar com o público-alvo. Uma motivação expressa da autora é fazer companhia pra os adolescentes em fase “tão importante e especial” da vida deles.

Rompimento

Aos 45 anos, a atriz goiana Ingrid Guimarães experimenta uma mudança de ótica, passados mais de 20 anos do sucesso com a peça Confissões de adolescente. Na trama de Fala sério, mãe!, ela dá vida a Ângela Cristina que guarda a certeza, elaborada a cada passo, de que “ser mãe é não ter certeza de nada”. Até o aparecimento de Nando (João Guilherme Ávila), Ângela será o centro completo de apoio para a filha Malu (Larissa Manoela). Contracenando com Marcelo Laham, intérprete do marido, Ingrid dá uma espécie de guinada na imagem, desde o protagonismo com De pernas pro ar (2010), passando pelas personagens de Um namorado para minha mulher (2014), Loucas pra casar (2015) e Entre idas e vindas (2016).

Inseguranças, cursos de preparação para o amor incondicional a ser dispensado à filha Malu, noites maldormidas, adaptação à maturidade e breves traições familiares farão parte da vida da personagem Ângela, zelosa com Malu. Caberá à mocinha, entre caprichos, a valorização da mãe, no filme que tem direção de Pedro Vasconcelos (o mesmo do novo Dona Flor e seus dois maridos). Como extra, o filme traz a participação de Paulo Gustavo, ator que, com Minha mãe é uma peça 2, levou, neste ano, mais de 5,2 milhões de espectadores aos cinemas.
 
Arquivo pessoal / Reprodução
 

Duas perguntas // Thalita Rebouças, escritora
Qual o prazer, para além dos números de vendas, que sente quando você se aproxima da literatura infantojuvenil?
O prazer de trabalhar com adolescente e pré-adolescentes é que é uma fase da vida com muitas questões, muitas dúvidas, muitas angústias, muitas espinhas, muitas decisões a serem tomadas. E eu acho tão bacana fazer parte da vida da galera com essa idade, ser companhia deles. Fazer parte da vida deles num momento tão especial e complicado da vida, porque adolescência é uma fase complicada, me faz sentir muito privilegiada, por ter essa honra de trabalhar pra eles, de ser lida por eles, e continuar sendo lida depois de tanto tempo.

As atrizes corresponderam, nas telas, à adaptação de algum dos seus livros?
Eu fiquei muito feliz. Não existem atrizes mais adequadas pra fazer Maria de Lourdes e Angela Cristina. A Larissa é um fenômeno que eu desconhecia a proporção. Eu sabia que era um talento e famosa, mas não sabia que ela era o que foi a Xuxa para mim (risos). Então, ver que ela é talentosíssima, dedicada e ainda por cima muito gente boa, fofa e pé no chão, deixou todo mundo apaixonado por ela, e ela faz a melhor Malu que eu podia querer. E a Ingrid é a Angela Cristina de cabo a rabo, a melhor personificação dessa personagem que é tão importante na minha carreira, mudou a minha vida, e mexeu com a vida de tanta gente.

Outros filmes
 
Internet / Reprodução
 

O jovem Karl Marx
No mesmo ano em concorreu ao Oscar pelo documentário Eu não sou seu negro, o diretor haitiano Raoul Peck volta à carga de um cinema com quês teóricos e políticos. Intelectual alemão, nascido em 1818, Marx instituiu a doutrina comunista moderna, depois de, em Paris, ter conhecido o colega Friedrich Engels. Juntos, eles estreitaram fundamentos do movimento trabalhista.

Internet / Reprodução
 
 
Bye bye Jacqueline
Com estreia em sete capitais brasileiras, o longa de Anderson Simão cerca as confidências e o dia a dia da aluna bolsista de escola particular Jaqueline (Poliana Oliveira). Ao lado de amigos, numa trajetória com algumas inseguranças, ela aposta fichas na atenção do colega Fernando (Victor Carlim).


A origem do dragão
Morto em 1973, o astro de cinema Bruce Lee (interpretado por Philip Ng) tem parte da vida repassada no filme com assinatura de George Nolfi que, em Os agentes do destino (2011), comandou os astros Matt Damon e Emily Blunt. Ainda longe dos holofotes, Lee, no enredo de A origem do dragão, trava uma luta com o mestre Womg Jack Man (Yu Xia).
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.