Publicidade

Estado de Minas

Ex-Sonic Youth, Lee Ranaldo fala sobre novo livro e sobre Brasília

O músico esteve na capital em 2016 para fazer a trilha sonora de filme de Gustavo Galvão


postado em 08/01/2018 07:30 / atualizado em 07/01/2018 17:18

Lee Ranaldo fez a produção musical de Ainda temos a imensidão da noite, de Gustavo Galvão(foto: Alex Rademakers/Divulgação)
Lee Ranaldo fez a produção musical de Ainda temos a imensidão da noite, de Gustavo Galvão (foto: Alex Rademakers/Divulgação)
 
 
Lee Ranaldo se apaixonou por Brasília desde a primeira vez em que esteve na cidade, em 2016. O fascínio pela arquitetura e o prazer de dirigir pelas ruas largas e planejadas da capital fizeram com que o guitarrista da cultuada banda americana Sonic Youth aceitasse participar da produção musical de um filme brasiliense, Ainda temos a imensidão da noite (de Gustavo Galvão). “Agradeci a oportunidade de passar mais tempo aí”, lembra.

Em entrevista ao Correio, Lee fala sobre a admiração pela cidade e o trabalho no filme. Ele também comenta Jrnls 80’s: Poemas, letras, cartas, anotações e cartões-postais dos primeiros anos do Sonic Youth, livro escrito nos anos 1980 e que acaba de ser lançado no Brasil.

>> entrevista Lee Ranaldo


Você fez parte da produção do novo filme do diretor brasiliense Gustavo Galvão. Como foi o contato entre vocês dois?
Em setembro de 2016, eu visitei a cidade pela primeira vez e toquei aí. Após o concerto, uma das atrizes do filme, Ayla Gresta, se aproximou de mim e me disse algumas coisas sobre o filme e mencionou que eles estavam procurando um produtor para a banda. Ela me colocou em contato com Gustavo e começamos as discussões que levaram ao meu trabalho no filme.

Por que topou trabalhar neste projeto?
Eu aceitei o projeto por uma série de razões. Durante um período de discussão com Gustavo, passei a acreditar no trabalho que ele estava fazendo, e acreditava que o filme seria um trabalho significativo. Eu também optei por aceitá-lo, francamente, porque eu sou fascinado pela cidade de Brasília e agradeci a oportunidade de passar mais tempo aí!

Como foi sua visita a Brasília?
Fui a Brasília duas vezes. Levei muito tempo para chegar lá. A história da construção da cidade, o projeto e os edifícios de Oscar Niemeyer e seus companheiros foram fascinantes para mim. Eu precisava de tempo para investigar a cidade mais e ter mais experiência com a terra vermelha.

O que mais te impressionou na cidade? Você teve contato com a música daqui?
Eu aprendi um pouco sobre a música da cidade, e fizemos alguns dos trabalhos para o filme em um dos estúdios lendários da cidade (Zen Studios). Mas, francamente, meu interesse estava mais na concepção e construção do lugar. Eu gostava realmente de dirigir ao redor da cidade, que parece feita especialmente para esse tipo de viagem. Disseram-me que a intenção era projetar uma cidade com poucos semáforos e as ‘tesouras’ na estrada, com o barro vermelho da paisagem, que proporcionam um grande apelo visual. Eu adoraria passar algum tempo desenhando as estradas da cidade em algum momento.

Como é sua relação com a música brasileira?
Estou aprendendo mais sobre música brasileira o tempo todo. Eu já sabia algumas coisas que nós também reverenciamos no norte — Caetano, Gilberto, Mutantes, Gal Costa etc — mas há tanta música brasileira que eu não conheço... Eu estou tentando aprender mais o tempo todo.

Jrnls 80’s, que agora chega ao Brasil, foi originalmente lançado há muito tempo. Como você o avalia hoje?
Este livro contém seleções de meus diários e cadernos, incluindo letras, poemas e outras peças curtas escritas na década de 1980 durante a primeira década do Sonic Youth juntos como uma banda. Estes são os pensamentos que estavam correndo pela minha cabeça no momento e que me senti obrigado a escrever. Foi uma década emocionante — a minha primeira vida em Nova York e em crescimento em um membro contribuinte da comunidade artística lá, e também o desenvolvimento precoce da carreira da banda. Eu vejo o meu próprio desenvolvimento e crescimento como músico e artista incorporado nestas páginas.

Você ouve novos músicos? Gosta de algumas dessas bandas influenciadas pelo Sonic Youth?
Estou ouvindo novas músicas o tempo todo — música pop, música experimental — todo tipo de coisa. Eu ainda encontro muita música inspiradora sendo criada o tempo todo. No momento, eu estou interessado em ouvir novos sons e tentar coisas novas com a minha própria música, então eu estou sempre à procura de uma nova inspiração.



SERVIÇO
Jrnls 80’s: Poemas, letras, cartas, anotações e cartões-postais dos primeiros anos do Sonic Youth Lee Ranaldo. Martins Fontes. 240 páginas. R$ 54,90.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade