Publicidade

Estado de Minas

Brasil se torna destino para possível sucesso de gringos que vivem da arte

Nos últimos anos o país tem recebido diversos imigrantes que vem tentar ganhar a vida através da música


postado em 09/01/2018 09:00

A londrina Jesuton mora em solo brasileiro desde 2012(foto: Uma Comunicação/Divulgação)
A londrina Jesuton mora em solo brasileiro desde 2012 (foto: Uma Comunicação/Divulgação)

A fama amistosa do brasileiro ultrapassa fronteiras há anos. Assim como a característica de ser um público extremamente apaixonado por seus ídolos. Esses são apenas alguns dos motivos que fazem artistas de diferentes áreas escolherem o Brasil como residência. No mundo da música, alguns cantores estrangeiros viram no país a possibilidade de explorar um outro público e ainda, muitas vezes, realizar o sonho de viver da arte, o que não foi possível em seus países de origem.

No fim do ano passado, a cantora espanhola Ana Petkovic, filha do ex-jogador de futebol, o sérvio Petkovic, resolveu lançar o primeiro disco da carreira, Mais e mais, em que aposta no público brasileiro com composições autorais em português, que não é sua língua nativa. “Para mim, sempre foi natural compor em inglês. Sou gringa, mas fui alfabetizada em português, morei 15 anos no Brasil. Tempo suficiente para conseguir compor”, justificou ao Correio.

No momento, a artista tem se dividido entre o Brasil e a Sérvia. Na virada do ano, ela foi uma das convidadas do réveillon de Copacabana, no Rio de Janeiro, local em que ela viveu durante anos enquanto o pai jogou no Flamengo, time do coração de Ana Petkovic.

Curiosidade


Desde 2012, a cantora londrina Jesuton fez morada no Brasil. Filha de pai nigeriano e mãe jamaicana, ela começou a fazer sucesso pelas ruas do Rio de Janeiro ao fazer cover de canções de Amy Winehouse e Adele. Naquele ano, lançou o primeiro disco da carreira, e que ganhou o nome de Encontros, que tinha apenas uma canção em português, uma versão de O mundo é um moinho.

“Viajei pela América Latina desde a minha adolescência motivada por uma curiosidade grande que eu tinha pelo continente. Assim, comecei a ouvir muitas coisas sobre o Brasil e senti que precisava conhecê-lo. E estou muito feliz por ter vindo”, revela Jesuton. Desde então, ela lançou mais dois discos que tiveram músicas nas trilhas sonoras de novelas brasileiras: Show me your soul (2014) e Home (2017). O mais recente teve parcerias com Seu Jorge, Dani Black e a faixa em português Cuidar de mim.

A nova-iorquina Alma Thomas ganhou o estrelato em 2012 quando participou de uma das temporadas do reality show musical The voice Brasil. No entanto, ela mora no Brasil desde 2004, quando já havia lançado três CDs autorais. A boa repercussão na competição colocou a artista no gosto do brasileiro e suas músicas em trilhas sonoras de novelas como Pega pega, com Broke my heart in two, e Passione.

Refúgio


Assim como Alma Thomas, a angolana Isabel Antonio se tornou conhecida no Brasil ao participar do The voice Brasil. A refugiada de apenas 16 anos esteve na mais recente edição do reality integrando o time de Carlinhos Brown. Ela deixou o país de origem há dois anos fugindo da guerra na África ao ser encontrada com a irmã por missionários brasileiros.

A família toda firmou residência em São Paulo, onde Isabel começou a cantar no coral do projeto Somos iguais. “Ter participado desse programa foi muito importante para mim e tenho certeza de que vai ser importante também para outras meninas como eu, outras refugiadas, trazendo a emoção da música e servindo de exemplo para muitas pessoas”, contou em entrevista à Agência France Presse.



Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade