Publicidade

Estado de Minas

InLapse, That Gum U Like e Cantigas Boleráveis lançam projetos musicais

Conheça mais sobre os projetos atuais dos artistas de Brasília


postado em 14/01/2018 07:20

Andressa e Fábio Popinigis formam o duo That Gum U Like, que lançou um EP (foto: Amanda Goés/Divulgação)
Andressa e Fábio Popinigis formam o duo That Gum U Like, que lançou um EP (foto: Amanda Goés/Divulgação)

A efervescência musical tem tomado conta da capital federal nos últimos anos. Esse movimento ocorre mesmo sem o apoio de grandes gravadoras e fora do tradicional eixo Rio — São Paulo. Atualmente, grande parte dos artistas locais se lançam em iniciativas independentes e produzidas no próprio Distrito Federal. Em 2018, não será diferente. O cenário musical inicia o ano com algumas novidades.

É o caso do duo That Gum U Like, formado por Fábio (do projeto DeltaFoxx) e Andressa D. Popinigis no início do ano passado. “Motivados por um certo revival de bandas, tais como a clássica Slowdive, dos anos 1990, e novas bandas psicodélicas brasileiras, a exemplo de My Magical Glowing Lens, Teach Me Tiger, Oxy e Papisa, nos inspiramos a produzir mais. Assim, saiu a música Falling apart”, revela Fábio, citando uma das primeiras faixas da dupla, que já havia lançado em 2014 um cover de Charlotte sometimes, do The Cure.

Nas últimas semanas de 2017, o casal lançou o primeiro EP da carreira pelo selo brasiliense Quadrado Mágico. Sob o nome de The black lodge, o disco conta com oito faixas, algumas remixadas por convidados, como Renato Cohen e Mari Perrelli. “O selo nos deu um apoio inestimável com o lançamento e a divulgação. Uma das coisas mais legais foi o contato efetuado pelo selo com os DJs que se animaram a remixar o disco: Renato Cohen, Mari Perrelli, Kurup e Meduna. Foi uma honra ter cabeças tão brilhantes repensando nossas músicas. É uma sensação incrível ouvir o disco inteiro na ordem, com essas releituras tão inspiradas”, explica Popinigis.



Diferentemente de um som que o público está acostumado a ouvir comercialmente, o duo That Gum U Like traz a inspiração da música psicodélica com inserção de elementos eletrônicos, como o som do future bass, vertente que ganhou força nos anos 2000. “Procurei inserir elementos eletrônicos e graves bem acentuados, no estilo future bass de artistas tais como Flume, por ser uma influência das últimas faixas produzidas pelo DeltaFoxx e pelo ar de modernidade que isso acrescenta ao nosso trabalho”, defende o artista.

O primeiro material do That Gum U Like também tem inspiração na série Twin peaks, de David Linch, que voltou à telinha no ano passado com novos episódios: “A série, a exemplo de quase tudo que o diretor faz, passeia por ambientes sombrios, especialmente da psiquê humana. Esse tema nos interessa em termos de climas e ambientes que podem ser explorados”. Além do disco, o próprio nome da dupla é uma referência à série. “A frase “that gum you like is going to come back in style” é chave no seriado. Gostamos da sonoridade de “That Gum U Like” e de como pode soar como uma referência retrô”, explica Fábio Popinigis.

Financiamento coletivo


O duo That Gum U Like contou com o selo Quadrado Mágico, já a banda Cantigas Boleráveis pretende gravar um EP e dois videoclipes com ajuda de um financiamento coletivo. “Nesses quase cinco anos de banda, temos muitas músicas compostas e pouquíssimas gravadas. Em 2014, com o prêmio da segunda colocação no FINCA, conseguimos ir para estúdio e gravar algumas músicas. Depois disso foi ficando difícil”, lembra Letícia Helena, uma das backings vocal e performers do grupo.

Banda Cantigas Boleráveis promove campanha de financiamento coletivo para gravar EP e clipes(foto: Bento Viana/Divulgação)
Banda Cantigas Boleráveis promove campanha de financiamento coletivo para gravar EP e clipes (foto: Bento Viana/Divulgação)


Conhecida no cenário brasiliense por apostar em uma sonoridade latina, a banda surgiu na época em que os integrantes estudavam na Universidade de Brasília. Uma união de estudantes dos departamentos de música e artes cênicas formou o grupo, que hoje é composto por 15 pessoas de Brasília, de diferentes estados brasileiros e até de outros países. “Queríamos fazer uma banda que tocasse músicas latinas e românticas. Partiu da necessidade que tínhamos de compartilhar nossas vivências”, explica Letícia ao Correio.



Lançada no ano passado, a campanha de crowdfunding, que está hospedada no site Kickante, termina na segunda (15/1). O grupo busca arrecadar R$ 10 mil para custear as gravações do EP e de dois vídeos que serão produzidos com apoio das produtoras Baleia Filmes e de André Fernandes. “Dois amigos se ofereceram para gravar nossos videoclipes, mas para isso era necessário ter músicas gravadas. Pensamos, então, em fazer um financiamento coletivo, por sermos uma banda independente e com 15 integrantes”, afirma a artista. Desde o lançamento do financiamento, a banda aumentou o número de curtidas nas redes sociais e recebeu propostas de pessoas que querem ajudar de outras formas. “Tem sido bacana, porque gerou um retorno e um contato com as pessoas que se interessaram em fazer acontecer, mesmo que seja com ajudas que não são financeiras”, conta Letícia Helena.

Após o fim da campanha, a banda poderá ser vista durante o carnaval participando do Bloco do Amor. O projeto é formado por Brenda Gabrielly e Victória Carballar (vocalistas); Tonhão Nunes, Iris Marwel, Letícia Helena, Bianca Ludgero e Tita Melo (backings vocal e performers); Lorena Aloli e Mateus Timponi (percussão); Kashi Mello, Iuri Gules, Rafael Siqueira e Ely Janoville (cordas); Ana Cesário e Lucas Muniz (sopro).



Planos futuros


DJs A e TAP formam o duo InLapse, que pretende lançar singles e um EP em 2018(foto: Arquivo Pessoal)
DJs A e TAP formam o duo InLapse, que pretende lançar singles e um EP em 2018 (foto: Arquivo Pessoal)

No fim do ano passado, os DJs A, residente da Melanina, e TAP resolveram tirar do papel um desejo antigo. Assim surgiu o projeto InLapse. “Nós já conversávamos bastante sobre a possibilidade de criarmos algo juntos. Após algumas tentativas e experimentos musicais, chegamos ao conceito musical que é o InLapse hoje”, explica o DJ A. “Desde o início, tínhamos em mente utilizar elementos da cultura brasileira em nossas criações, mesclando as batidas eletrônicas a ritmos como o afoxé, funk, maculelê, entre outros. Dessa mistura saiu o nosso som”, completa.

A partir daí, a dupla passou a lançar músicas nas plataformas digitais. Atualmente, o projeto já conta com quatro faixas Fantasy, Brave, Deixa descer e Friend zone, que foram gravadas com participação dos cantores Bru Marques, Fiákra e Babi Ceresa (artista brasiliense que participou da mais recente edição do reality show The voice Brasil).



“Quando o projeto começou a tomar forma, decidimos colocar vocais. Daí vieram os convites de artistas que tinham o perfil que o projeto precisava. Após essas participações, muitos outros cantores entraram em contato para fazermos parcerias musicais. Então vem muita coisa boa pela frente”, anuncia.

A intenção do InLapse é continuar lançando faixas em formato de singles, mas tem como projeto para o primeiro semestre de 2018 a gravação e o lançamento de um EP. “Estamos em estúdio a todo vapor em novas produções e também preparando nosso show. Agora é trabalhar pesado para fazer acontecer em 2018”, admite o DJ A.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade