Publicidade

Estado de Minas

Mulher-Maravilha 2 será o primeiro filme a adotar código anti-assédio

O código oferece diretrizes contra assédios dentro e fora de filmagens


postado em 22/01/2018 18:07

WARNER BROS/Divulgação(foto: Gal Gadot, que encarna a heroina nas telas, confirmou ausência de produtor acusado de assédio, Brett Ratner)
WARNER BROS/Divulgação (foto: Gal Gadot, que encarna a heroina nas telas, confirmou ausência de produtor acusado de assédio, Brett Ratner)

 

O filme Mulher-Maravilha 2 será a primeira produção a acatar oficialmente o código de conduta anti-assédio do Sindicato de Produtores Cinematográficos dos Estados Unidos (PGA). As diretrizes foram publicadas na última sexta-feira (19) como resposta aos inúmeros relatos no último ano de assédios de longa data sofridos por mulheres em Hollywood. Elas são direcionadas tanto aos produtores, como ao elenco e à equipe dentro e fora do set.


O código fornece várias recomendações às produções, que incluem: cumprir leis federais e estaduais, disponibilizar recursos para denúncias e oferecer treinamento anti-assédio presenciais à equipe no início das filmagens — e antes de toda as temporadas, no caso de séries. Conforme a regulamentação, as denúncias de assédio devem ser ouvidas com atenção e empatia e precisam ser registradas.

 

Um dos produtores que ajudaram a financiar o primeiro Mulher-Maravilha foi Brett Ratner, acusado de assédio por seis mulheres. Gal Gadot, a atriz que interpreta a heroína confirmou que Ratner não estará envolvido na sequência. Mulher-Maravilha 2 está previsto para ser lançado 13 de dezembro de 2019.

 

Confira o documento em que consta o código.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade