Publicidade

Estado de Minas

John Green, de 'A culpa é das estrelas', lança quinto livro da carreira

'Tartarugas até lá embaixo', publicação do famoso autor, solidifica carreira na literatura infantojuvenil


postado em 23/01/2018 06:17

 John Green mantém afinidade com o público jovem(foto: Tom Koene/Divulgação-8/11/12)
John Green mantém afinidade com o público jovem (foto: Tom Koene/Divulgação-8/11/12)
 
 
A grande verdade é que à primeira vista, Tartarugas até lá em baixo não parece agradar muito. As páginas iniciais que apresentam uma garota de 16 anos, que em parceria com a melhor amiga tenta investigar o desaparecimento de um milionário – cujo filho será seu interesse romântico – parece mais uma daquelas histórias mergulhadas em clichês.

Entretanto, conforme os capítulos passam, Green deixa claro que a solidificada carreira literária deveria pressupor mais crédito. Conforme discussões – como problemas mentais e diferenças de classes – tomam espaço na história, Tartarugas até lá embaixo se mostra um livro, acima de tudo, maduro.

Porta de entrada

Tartarugas até lá embaixo é o primeiro trabalho de Green após o estrondoso sucesso de A culpa é das estrelas em 2012. O lançamento, que completa cinco anos, se tornou uma porta de entrada para diversos fãs do autor, como a estudante de letras Nathália Silva.

A jovem de 20 anos lembra como se tornou uma leitora de Green com nostalgia: “O primeiro livro que eu li foi A culpa é das estrelas. Eu li porque estava muito na moda, ia lançar o filme, então, eu resolvi ler. Gostei muito do livro, da dinâmica do livro, porque não é uma coisa óbvia”. Após anos, Nathália sublinha o quanto ainda é fã. “ Eu acho que é um dos poucos autores que eu conheço o nome assim decorado, porque é muito bom e eu pretendo  acompanhá-lo enquanto ele escrever”.

Bactérias e tartarugas

Aza é a grande protagonista de Tartarugas até lá embaixo. A garota introvertida – clássico dos protagonistas de Green – vive uma confortável vida na classe média norte-americana enquanto termina seu ensino médio e se prepara para entrar na faculdade. Aza perdeu o pai de forma drástica, o que a levou a desenvolver alguns distúrbios psicológicos, o pior deles: uma espécie de transtorno obsessivo-compulsivo que faz a jovem temer irracionalmente a propagação de bactérias em seu corpo.

Por insistência da melhor amiga, Daisy, a jovem decide buscar um milionário desaparecido nas redondezas de sua cidade, elas procuram ganhar a recompensa pela resolução do desaparecimento. Na empreitada, Aza acaba se apaixonando pelo filho do milionário, Davis, um garoto muito rico, mas absolutamente triste, que tem de lidar com a morte da mãe, o desaparecimento do pai e os cuidados ao irmão mais novo.

Qualidades

Naturalmente, o sucessor de qualquer grande obra tende a ter uma pressão maior em se elevar as qualidades de seu último hit. De muitas formas, Green entende essa pressão, e sabe trabalhar com ela, resultando em importantes méritos para a obra. O primeiro, e destacável, é a maturidade de se apostar em uma história teen que não seja baseada apenas em um romance jovem.

Não se engane, esse romance existe de forma latente, porém, ao passar das páginas, fica claro que o foco de Green é muito mais a natureza de Aza consigo mesma do que qualquer outra coisa. A luta da garota para vencer seus transtornos psiquiátricos dá à história uma aura de estar em um nível acima dos outros enredos em que o autor já trabalhou. O casal tem seus momentos, mas nada tão impactante quanto os momentos que Aza tem consigo mesma.

Essa qualidade, quase que automaticamente, leva a outro bom contexto do livro: a realidade da doença de Aza. Green toma muito cuidado em passar uma veracidade técnica – que não é inédita em sua literatura, mas, mesmo assim, ainda é – impressionante. É facilmente notável o quanto o autor se esforçou para colher dados relevantes que irão compor a realidade doente de Aza.

Por último, mas não menos importante, fica evidente a capacidade de Green de conversar com o universo adolescente de uma forma só dele, como aponta a fã de sua literatura, Fernanda Gonçalves: “Gosto da leitura fácil e da maneira como ele aborda a vida adolescente e jovem adulta, e como ele faz com que o leitor se importe com os personagens, mesmo que ele não se identifique com a problemática”, conta a auxiliar administrativa, 25.

Tartarugas até lá embaixo
De John Green, 256 páginas. Preço: R$24,90.
 
*Estagiário sob supervisão de Severino Francisco

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade