Publicidade

Estado de Minas

Projeto do grupo 7 na roda celebra as escolas de samba da cidade

Projeto recebe Acadêmicos da Asa Norte


postado em 25/01/2018 07:30

 
7 na Roda celebrará o repertório das agremiações do DF em projeto intitulado Enredos de samba(foto: Pedro Rocha/Divulgação)
7 na Roda celebrará o repertório das agremiações do DF em projeto intitulado Enredos de samba (foto: Pedro Rocha/Divulgação)
 
 
A última vez em que as escolas de samba do Distrito Federal saíram na avenida foi em 2014. Desde então, sem o repasse do GDF, as agremiações deixaram de ter uma participação ativa no carnaval brasiliense. Neste ano, seis escolas se reúnem em 2 de fevereiro para evento entre a Torre de TV e a Funarte. Mas, antes disso, o samba volta a rolar para as agremiações por meio do projeto 7 na Roda — Enredos de samba promovido pelo grupo brasiliense 7 na Roda, antigo Adora Roda.

A iniciativa tem como objetivo resgatar a tradição das escolas de samba, que se iniciou junto com a criação de Brasília e está diretamente ligada ao nascimento do carnaval candango. “Esse projeto surgiu porque a gente tem sentido que as escolas de Brasília estão caindo no esquecimento. Nós, que somos do samba, entendemos que se o ritmo continua crescendo e tendo cada vez mais grupos e rodas em Brasília, tudo isso é por causa das escolas. Quando a capital foi inaugurada, um dos principais meios de lazer era o samba”, explica Breno Alves, integrante do 7 na Roda.

Até 2014, ano do último desfile, a capital contava com seis escolas no grupo especial (Unidos da Vila Planalto, Aruc, Acadêmicos da Asa Norte, Bola Preta de Sobradinho, Mocidade do Gama e Águia Imperial da Ceilândia), além de 10 agremiações no grupo de acesso. Escolas que movimentam comunidades de diferentes regiões administrativas do DF. “Tem escola de samba em todas as cidades do DF. A maioria não tem sede própria e está sem atividades culturais e integradoras. Queremos pedir licença para reconhecer essas escolas e trazer luz para essa causa. Na nossa visão, o carnaval de Brasília está perdendo sem as agremiações”, analisa Alves.

Acadêmicos da Asa Norte será a escola celebrada na segunda edição(foto: Arquivo Pessoal)
Acadêmicos da Asa Norte será a escola celebrada na segunda edição (foto: Arquivo Pessoal)

Projeto

7 na Roda — Enredos de samba começou em dezembro do ano passado. Na primeira edição, o projeto celebrou a Unidos do Varjão. Sem sede, a escola contou com a parceria da ONG Palco Comparsaria Primeira de Talentos, que cedeu o espaço. Amanhã, a partir das 20h, é a vez da Acadêmicos da Asa Norte ser celebrada no projeto. O evento será na sede da escola, no Setor de Clubes Norte.

Na noite, o grupo 7 na Roda fará um passeio pelos sambas de compositores brasilienses, enredos das agremiações de Brasília e ainda celebrará clássicos do estilo musical. “A gente faz um primeiro set, quando tem o intervalo, vem a escola de samba e tocamos juntos. O repertório é bem variado. Tocamos compositores da cidade, nossas músicas e canções de diversos sambistas”, adianta.

O projeto ainda terá mais três paradas por escolas de samba do DF, além de participações especiais de Fabiana Cozza (SP), Serginho Meriti (RJ) e Nelson Rufino (BA) nas próximas edições.


7 na Roda — Enredos do samba
Sede da Acadêmicos da Asa Norte (SCEN, Tc. 3). Amanhã, às 20h. Com 7 na Roda e Acadêmicos da Asa Norte. Entrada a R$ 5 (meia) e R$ 10 (inteira). Classificação indicativa livre.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade