Publicidade

Estado de Minas

Por questão de segurança, cidade proíbe 'Que tiro foi esse' no Carnaval

Outras músicas também foram proibidas além do funk de Jojo. Qualquer melodia com letras e/ou coreografias que façam apologia à violência se enquadram no caso


postado em 07/02/2018 10:12 / atualizado em 07/02/2018 10:32

Justamente pelos barulhos de tiro que fazem parte do funk, a polícia militar decidiu vetar a reprodução da música durante as festas de carnaval na cidade(foto: Divulgação)
Justamente pelos barulhos de tiro que fazem parte do funk, a polícia militar decidiu vetar a reprodução da música durante as festas de carnaval na cidade (foto: Divulgação)
 
A prefeitura da cidade de Joaquim Gomes, localizada na região norte do estado de Alagoas, proibiu a reprodução da música “Que tiro foi esse”, da cantora Jojo Todynho, durante todo o período de carnaval. A medida foi tomada prezando pela segurança dos foliões que irão curtir os blocos de rua.

O hit do carnaval, da funkeira Jojo Todynho, viralizou pelas performances compartilhadas nas redes sociais, onde as pessoas caem no chão ao som da pergunta “que tiro foi esse?”. Justamente pelos barulhos de tiro que fazem parte do funk, a polícia militar decidiu vetar a reprodução da música durante as festas de carnaval na cidade.

“A música traz esse som de disparo de arma de fogo. O uso de armas de fogo é proibido pelo Estatuto do Desarmamento. Não se pode incentivar o uso de armas. A música também incentiva a violência contra a mulher. Todos os dias temos ocorrências com mulheres. A polícia tem a obrigação de proteger a população e evitar o incentivo à violência”, explicou Capitão Queiroz, da 2ª CPM, à TV Gazeta.

Outras músicas também foram proibidas além do funk de Jojo. Qualquer melodia com letras e/ou coreografias que façam apologia à violência se enquadram no caso. Para efetivar a nova norma, foi assinado um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), que estabelece uma multa de R$ 2 mil para quem descumprir o acordo.
 
Via Curiosanebte 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade