Economia
  • (2) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Risco de nova queda do PIB coloca Brasil em ameaça de recessão PIB registra queda de 0,5% no terceiro trimestre do ano e o risco de um novo tombo entre outubro e dezembro fica maior. Brasil teve o mais fraco resultado do mundo, mas Mantega assegura que a recuperação já começou. Oposição culpa a política econômica de Dilma pela retração

Vicente Nunes - Correio Braziliense

Publicação: 04/12/2013 06:00 Atualização: 04/12/2013 08:39

A economia brasileira ficou menor. Apesar de todos os estímulos dados pelo governo, o Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro trimestre registrou queda de 0,5% ante os três meses imediatamente anteriores, o maior tombo desde janeiro a março de 2009, quando a atividade encolheu 1,6% e o Brasil mergulhou na recessão, empurrado pelo estouro da bolha imobiliária dos Estados Unidos. O resultado, que provocou comoção no Palácio do Planalto e elevou o tom das críticas da oposição, superou a média das projeções do mercado, de queda de 0,3%.

O recuo refletiu, sobretudo, a desconfiança do empresariado em relação à política econômica da presidente Dilma Rousseff, que tem sido leniente com a inflação, elege setores específicos para receber benefícios, intervém na condução dos juros pelo Banco Central, recorre a truques fiscais para mostrar uma saúde que as contas públicas não têm e congela as tarifas públicas. Não à toa, os investimentos produtivos cederam 2,2%, a grande surpresa negativa divulgada ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), com a agropecuária, que tombou 3,5%. O saldo só não foi pior graças à força do consumo das famílias, com incremento de 1%, e à gastança do governo, que teve alta de 1,2%.

Leia mais notícias em Economia

O que mais assusta o empresariado e os investidores é a possibilidade de o Brasil entrar novamente em recessão. A despeito de esse não ser o quadro principal, os economistas admitem uma nova retração do PIB no quarto trimestre do ano. Os dados preliminares da atividade dão consistência a essas previsões, que podem ser reforçadas caso o mesmo IBGE mostre, hoje, queda na produção industrial de outubro. As estimativas são de recuo de 0,6% ante setembro e de 1% frente ao mesmo mês de 2012.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (2) comentários

Autor: Jose Maria Camargo
Os juros apesar de terem caído por algum tempo, voltaram a subir e os bancos faturam com "endividamento dos incautos". Produtos e Serviços "muito caros" e juros em elevação, dólar subindo e a renda do trabalhador sendo engolida pela INFLAÇÃO, só tem uma única maneira de acabar, em RECESSÃO! | Denuncie |

Autor: Jose Maria Camargo
Não se trata apenas de dar incentivo para o consumo. O maior problema é que os produtos e serviços no Brasil estão caros demais! Não sei se é pela Copa, mas tudo está muito caro... Fica difícil convencer alguém a consumir apenas por consumir, só se for algo urgente e/ou necessário. Ladeira abaixo... | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.