Economia
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Estados Unidos registram taxa de desemprego mais baixa em cinco anos A queda foi maior do que o previsto, e a criação de emprego também superou as expectativas, segundo dados do Departamento do Trabalho

France Presse

Publicação: 06/12/2013 19:58 Atualização:

A taxa de desemprego nos Estados Unidos caiu para 7% em novembro, atingindo seu nível mais baixo em cinco anos, de acordo com dados divulgados nesta sexta-feira (6/12) e que reavivaram as especulações sobre o possível corte de estímulos econômicos por parte do Federal Reserve americano.

A queda foi maior do que o previsto, e a criação de emprego também superou as expectativas, segundo dados do Departamento do Trabalho.

O índice de desemprego retrocedeu 0,3 ponto percentual em relação a outubro, situando-se em 7% pela primeira vez desde novembro de 2008. Já o número (líquido) de novos empregos chegou a 203 mil, superando as estimativas dos analistas, que anteciparam uma leve queda de 7,2% no desemprego, com 188 mil novos contratos de trabalho.

O total de empregos criados também superou as expectativas, com 3 mil a mais do que em outubro. O ritmo médio de criação de emprego nos últimos três meses foi de 193 mil postos ao mês, muito acima dos 166 mil no período junho-agosto.

Já o número de americanos desempregados se reduziu em 365 mil, chegando a 10,9 milhões, enquanto o total daqueles que já não fazem parte da população economicamente ativa também caiu.

O número de pessoas que trabalham em tempo parcial também baixou - para 331 mil.

Leia mais notícias em Economia

Os analistas ressaltam que o fortalecimento do mercado de trabalho pode dar ao Fed argumentos para começar a retirar o estímulo econômico de US$ 85 bilhões mensais em compras de bônus do Tesouro e títulos hipotecários.

O presidente da instituição, Ben Bernanke, já anunciou que o Fed poderá terminar com os estímulos. Para alguns especialistas, porém, diante da expectativa de um crescimento fraco no quarto trimestre, a decisão de reduzir o programa poderá ser adiada e não ser adotada na reunião do Comitê de Política Monetária de 17 e 18 de dezembro.

"As lojas estão deixando de lado as preocupações com impostos e contratando a um ritmo suficiente para manter a taxa de desemprego em baixa. Em resposta, os consumidores estão gastando mais", disse o economista Sal Guatieri, da BMO Capital Markets.

Jim O'Sullivan, da High Frequency Economics, destacou que a inflação levará o Fed a manter seu programa "por mais uma reunião".

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.