Economia
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Quito afirma que julgamento da Chevron ameaça economia do Equador O Equador e a Chevron travam uma dura batalha legal após a decisão da justiça equatoriana de impor à companhia americana o pagamento de uma indenização de US$ 9,5 bilhões

France Presse

Publicação: 09/12/2013 20:51 Atualização:

Quito - A estabilidade econômica do Equador poderia ser afetada seriamente se uma corte internacional obrigar o país a pagar US$ 9,5 bilhões em um julgamento apresentado pela petroleira americana Chevron, informou o governo equatoriano nesta segunda-feira.

"Este seria um custo muito difícil de cobrir para nosso governo e poderia afetar seriamente a estabilidade econômica do país", afirmou o chanceler equatoriano, Ricardo Patiño, durante encontro com jovens de esquerda de vários países em Quito.

O Equador e a Chevron travam uma dura batalha legal após a decisão da justiça equatoriana de impor à companhia americana o pagamento de uma indenização de US$ 9,5 bilhões por uma contaminação na Amazônia atribuída à empresa Texaco, de propriedade da Chevron.

O valor equivale a quase 30% do orçamento do país em 2013.

A multinacional, que denunciou graves irregularidades durante o processo com o Equador, busca que uma corte de arbitragem em Haia obrigue o Equador a assumir a indenização por considerar que os danos foram causados pela estatal Petroecuador.

Esta empresa trabalhou em consórcio com a Texaco durante parte dos 26 anos em que a americana operou no país (1964-1990).

"A luta é muito desigual, (mas) nós não vamos nos render, nós não nos dobrar, nunca pensem que isto vai acontecer", disse Patiño, ao reiterar a negativa do governo a um possível acordo extrajudicial com a petroleira.

A ação que a Chevron perdeu no Equador - cuja última sentença foi proferida em 12 de novembro - foi impetrada por indígenas e colonos amazônicos, mas o Estado se envolveu após a demanda de arbitragem que a petroleira apresentou em 2009.

Em setembro, o governo de Rafael Correa fez uma campanha midiática para denunciar os danos ecológicos atribuídos à Texaco e à tentativa da Chevron de atribuir ao país a responsabilidade pelo pagamento da indenização.

O chanceler Patiño pediu nesta segunda-feira a solidariedade dos cidadãos do mundo em sua campanha contra a Chevron e reiterou a eles o convite para boicotar a empresa, abstendo-se de comprar seus produtos.

"Apenas uma campanha mundial de solidariedade com o Equador poderia fazer com que esta luta possa terminar com a vitória do nosso país", declarou o ministro.

A Chevron, que acusa o governo Correa de ter interferido indevidamente no caso, garante ter cumprido a reparação ambiental que lhe correspondia e que a prova disso é um documento firmado com autoridades da época, que eximiram a Texaco de qualquer responsabilidade posterior à sua saída do país.
Tags:

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.