Economia
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Rússia e Ucrânia fecham acordo em meio a crise com a União Europeia No início do encontro, Yanukovich disse que Ucrânia e Rússia deveriam desenvolver uma "associação estratégica, e que o encontro de hoje é, em certa medida, estratégico"

France Presse

Publicação: 17/12/2013 14:27 Atualização:

Moscou - O presidente russo, Vladimir Putin, anunciou nesta terça-feira (17/12) um acordo para eliminar os obstáculos comerciais entre Rússia e Ucrânia, além de um investimento de 15 bilhões em títulos, após um encontro com seu colega ucraniano Viktor Yanukovich no Kremlin. "Levando em conta os problemas da economia ucraniana (...), o governo russo decidiu investir uma parte de suas reservas (...) em títulos do governo ucraniano, em um valor de 15 bilhões de dólares", declarou.

"Isto não está ligado a nenhuma pré-condição, nem a um aumento, nem a uma diminuição, nem ao congelamento de benefícios sociais, de aposentadorias, bolsas de estudo e despesas", acrescentou, referindo-se às condições impostas pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) para conceder um empréstimo a Kiev.

Putin também informou que a Rússia aceitou reduzir em um terço o preço do gás vendido para a Ucrânia, que passaria a custar 268,5 dólares por 1.000 metros cúbicos, ao invés dos mais de 400 dólares atuais.

Leia mais notícias em Economia

No início do encontro, Yanukovich disse que Ucrânia e Rússia deveriam desenvolver uma "associação estratégica, e que o encontro de hoje é, em certa medida, estratégico".

A Ucrânia, país de 46 milhões de habitantes, está no centro de uma batalha diplomática desde que o presidente ucraniano decidiu não assinar um histórico acordo de associação com a União Europeia (UE) e tentar fortalecer as relações com a Rússia.

Uma zona de livre comércio

A oposição acusa Yanukovich de querer "vender" o país a Moscou, que tenta convencer a Ucrânia a aderir a uma união alfandegária com Rússia, Belarus e Cazaquistão.

No entanto, Putin afirmou que a questão da adesão da Ucrânia à união aduaneira liderada por Moscou não foi discutida durante as negociações.

"Gostaria de garantir a todos que nós nãos discutimos a adesão da Ucrânia à União Aduaneira", declarou.

Ainda assim, os dois países assinaram nesta terça um acordo destinado a retirar os obstáculos comerciais junto com uma série de outros documentos.

Yanukovich declarou, no entanto, que é preciso resolver o problema da queda do volume de negócios entre os dois países.

"Acredito que devemos coordenar o trabalho, não apenas entre Rússia e Ucrânia, mas também com os outros países da CEI (Comunidade de Estados Independentes - ex-repúblicas soviéticas) para que possa haver realmente uma zona de livre comércio", afirmou.

A oposição ucraniana, que protesta e ocupa a Praça da Independência, no centro de Kiev, há quase quatro semanas, convocou uma nova manifestação para esta terça-feira.

Quase 200 manifestantes se posicionaram na estrada que leva ao aeroporto, informou o partido Batkivchina (A Pátria), mas o presidente Yanukovich decidiu seguir para o terminal de helicóptero.

"O presidente tem medo dos ucranianos", afirmou Maxim Burbak, deputado do partido, o mesmo da líder opositora detida e ex-primeira-ministra Yulia Timoshenko.

A súbita decisão do presidente ucraniano de rejeitar o Acordo de Associação com a União Europeia (UE) desencadeou as maiores manifestações contra o governo desde a Revolução Laranja de 2004, que marcou o início de uma aproximação da Ucrânia com o Ocidente.

Mas ela também deixou em evidência a profunda divisão entre o setor nacionalista de língua ucraniana, forte no oeste do país, e o leste russófilo alinhado com Moscou.

Os acontecimentos dos últimos dias sugerem que Yanukovich está cedendo às pressões e buscando uma forma de escapar da mais grave crise política de seus quatro anos de poder.

Na sexta-feira, uma reunião com três líderes opositores não teve êxito, mas o presidente destituiu autoridades que considerou responsáveis pela violenta repressão aos manifestantes durante os protestos do fim de novembro.

Os ministros europeus das Relações Exteriores tentaram tranquilizar o colega russo Serguei Lavrov, afirmando que uma eventual aproximação entre Ucrânia e UE não teria "impacto negativo" sobre a Rússia.

Mas em um sinal de degradação das relações, a Rússia deslocou baterias de mísseis de curto alcance Iskander-M para a região de Kaliningrado, perto da área da UE. O anúncio provocou preocupação na Europa e Estados Unidos.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.