Economia
  • (7) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Ministro da Fazenda anuncia a obrigatoriedade do airbag e ABS em 2014 Além disso, foi confirmado o aumento do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para o setor.

Rosana Hessel

Publicação: 17/12/2013 18:58 Atualização: 17/12/2013 22:26

O presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Luiz Moan, e o ministro da Fazenda, Guido Mantega, falam à imprensa após reunião sobre a obrigatoriedade de air bags e freios ABS nos automóveis produzidos no país a partir do próximo ano (Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil
)
O presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Luiz Moan, e o ministro da Fazenda, Guido Mantega, falam à imprensa após reunião sobre a obrigatoriedade de air bags e freios ABS nos automóveis produzidos no país a partir do próximo ano

O ministro da Fazenda, Guido Mantega confirmou a manutenção da obrigatoriedade do airbag e dos freios ABS em veículos nacionais. Mantega anunciou durante reunião com a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC e outros representantes do setor na tarde desta terça-feira (17/12). Além disso, aprovou o aumento do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para o setor.

Foram examinadas questões dos itens de segurança dos veículos e exportações para a Argentina. "Estávamos preocupados com o emprego e a inflação. Haverá um esforço da Anfavea", disse Mantega. O programa Inovar Auto deve ajudar as empresas de autopeças a aumentar a produção.

Preços mais altos

"Só posso antecipar que não haverá volta no IPI. Ele será mantido. Essa não é uma solução", explicou o ministro da Fazenda. O impacto no valor dos automóveis com o aumento do IPI será de 4% a 8%. O presidente da Anfavea, Luiz Moan, disse que todas as montadoras investiram e têm airbag disponível: "a Anfavea não pediu o adiamento (da obrigatoriedade), foi o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, diante do fato do encerramento da produção da Kombi e o Uno Mille".

Os casos de automóveis como a Kombi, que não tem outro similar, serão analisados na próxima segunda-feira (23/12) sobre a continuidade de produção ou não, pois não suportam as novas exigências de segurança. "Temos que dar condições para o aumento da competividade e que de modo geral possam garantir o bom desempenho da indústria em 2014", falou o ministro. As empresas vão buscar manter os funcionários das linhas de carros que forem desativadas.

A Anfavea pediu que as autopeças sem produção nacional pudessem ter alíquota de 2% ao invés de 16%. Um grupo vai analisar o pedido na próxima semana. O Ministério da Fazenda quer a lista das peças prioritárias. Todos os componentes dos itens de segurança são importados. Moan disse que a Anfavea continuará negociando um aumento gradual da alíquota. "Se ela voltar dos 2% para 7% nos carros populares, o aumento do preço é de 5,6%", complementou ele.

Até o início da produção nacional terá a redução da alíquota e os ítens importados terão redução de preço quando não tiverem produto equivalente nacional. Mantega falou ainda sobre a importância da rastreabilidade das peças. "Se não tivermos uma indústria forte, não vamos ser competitivos. É importante a redução de custos de autopeças".

Tags:

Esta matéria tem: (7) comentários

Autor: LEONARDO SILVA
Povo Brasileiro. Façam boicote. Deixem de serem bestas e passem a andar em importados seminovos. Tem tudo. Não pagarão por outros mimos. Digo por experiência. Teto Solar, ABS, Air Bag, Kit multimídia, Couro, Controle de Tração. Pensem nisso. O popular: de série: estepe e volante. O resto opcional. kk | Denuncie |

Autor: LEONARDO SILVA
Câmbio Automático!!! Tem Brasileiro que acha bonito dizer: 'prefiro passar marcha'. Então por essas e outras bizarrices que temos esses lixos chamados carros. O ex-presidente Collor tinha razão: 'Carroças'. Continuem comprando Golzinho, Celtinha, Uninho, Corsinha... | Denuncie |

Autor: LEONARDO SILVA
Em pleno ano 2013 discutindo algo que deveria ser obrigatório. Mas a culpa é do Brasileiro por nunca exigir qualidade. Lembra dos antigos opalas. Os pobre desligavam o ar para não consumir... então Ar, DH, VE tornou opcional. Então ABS, Air Bag para que?... Culpa do Brasileiro. | Denuncie |

Autor: lando Costa
Claro, faltou anunciar o preço lá nas alturas também, não é seu Ministro. Vergonha, todo brasileiro sabe que se quiser possuir um carro com ABS e Airbags tem que pagar a mais por isso. | Denuncie |

Autor: Tarcísio Silva
Até que enfim uma decisão sensata, neste País! Estávamos, em matéria de segurança veicular, atrasados em decadas, com relação a outros paises desenvolvidos. | Denuncie |

Autor: dimas moreira
Enfim uma decisão técnica. Abrange segurança para os passageiros e competitividade no mercado externo, vez que, melhora a qualidade do produto. | Denuncie |

Autor: Diego
como assim a Kombi não tem outro similar? que conversa mais fiada. e as Vans da Renault, Fiat, Citroen e até a substituta da Kombi são o quê? imagino como o ca$o $erá anali$ado... | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.