Economia
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Governo estuda reduzir imposto de importação para autopeças, diz Mantega No próximo ano, haverá ainda a recomposição gradual da alíquota cheia do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI)

Agência Brasil

Publicação: 17/12/2013 20:28 Atualização:

Presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Luiz Moan, e o ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciam a manutenção da obrigatoriedade de air bags e freios ABS nos automóveis produzidos no país a partir do próximo ano (Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil
)
Presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Luiz Moan, e o ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciam a manutenção da obrigatoriedade de air bags e freios ABS nos automóveis produzidos no país a partir do próximo ano

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse nesta terça-feira (17/12) que o governo estuda reduzir o Imposto de Importação (II) para autopeças não fabricadas no Brasil. Isso ajudaria a reduzir o impacto sobre os preços dos carros, previsto com a instalação obrigatória de air bag e freio ABS a partir do ano seguinte. No próximo ano, haverá ainda a recomposição gradual da alíquota cheia do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI).

“[Para compensar] estamos combinando rastreabilidade [identificação de conteúdo nacional obrigatório nos equipamentos] com eventual redução do Imposto de Importação de autopeças sem similar nacional, por tempo determinado”, acrescentou Mantega. A possibilidade de redução do imposto foi uma demanda da indústria automotiva.

Nos próximos dias, haverá debate sobre esse e outros pontos envolvendo os empresários e o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. A decisão final a respeito só será anunciada segunda-feira (23).

Leia mais notícias em Economia

Segundo o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Luiz Moan, que mais cedo reuniu-se com Mantega, o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, e representantes dos trabalhadores do setor para debater o assunto, a ideia é tornar a elevar a alíquota “imediatamente” no momento em que passe a haver produção das peças no país.

O setor pede ainda ao governo que estude a entrada de veículos elétricos no mercado brasileiro. De acordo com Moan, a questão poderia ser incluída no programa Inovar Auto. “É importante colocar a hipótese de passarmos a ter veículos híbridos e elétricos. Propusemos ao governo uma fase dentro do Inovar-Auto em que as empresas pudessem importar, desde que, a partir de um certo momento, passassem a produzir componentes e até mesmo fabricar [os veículos elétricos]”, declarou.

Outra demanda dos empresários é o lançamento do Exportar-Auto, programa para estímulo às exportações de automóveis.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.