Economia
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Economia crescerá 2,1% e indústria terá expansão de 2% em 2014, diz CNI Previsões da Confederação Nacional da Indústria indicam desaceleração do ritmo de investimentos e do consumo no próximo ano

Simone Kafruni

Publicação: 19/12/2013 12:30 Atualização:

A economia brasileira, que já não foi bem em 2013, terá crescimento ainda mais modesto no próximo ano, mas a indústria brasileira deve melhorar o ritmo de recuperação. O Produto Interno Bruto (PIB) do país vai crescer 2,1% em 2014, menos do que os 2,4% estimados para este ano. Contudo, a indústria terá uma expansão de 2,0% no ano que vem, superior ao 1,4% previsto para 2013, e muito melhor do que a queda de 0,8% registrada no ano passado. A estimativas foram divulgadas nesta quinta-feira (19/12) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

O presidente da entidade, Robson Andrade, explicou que a queda no ritmo de crescimento do PIB será resultado da desaceleração dos investimentos (formação bruta de capital fixo), que devem ter expansão de apenas 5% no próximo ano, frente aos 7,1% previstos para 2013. O aumento dos juros será responsável tanto pela redução nos investimentos, quanto pela queda no consumo das famílias, que deverá crescer somente 1,7% em 2014, portanto menos do que os 2,1% estimados para 2013.

"A falta de confiança dos empresários e o fim da contribuição dos investimentos em equipamentos de transportes, que marcou 2013, também vão influenciar a retração no investimento no próximo ano", ressaltou o gerente executivo da CNI, Flavio Castelo Branco. A entidade projeta que a inflação vai bater no teto da meta estipulada pelo Banco Central, de 6%, maior do que os 5,7% verificados em 2013, e que os juros devem manter a trajetória de alta em 2014.

Leia mais notícias em Economia

Robson Andrade destacou que a deterioração das contas públicas, com o agravamento dos deficits nominal e de conta corrente, tiveram peso na as previsões modestas para a economia. "O cenário da indústria é relativamente melhor. O crescimento geral previsto é de 1,4%, mas o setor de transformação está se recuperando e terá expansão de 2,3% este ano", disse, acrescentando que o ambiente de negócios é marcado pelos gargalos de infraestrutura, pela falta de competitividade e por aspectos conjunturais, como o aperto monetário e a pressão inflacionária.

O presidente da CNI ressaltou ainda que o saldo da balança comercial é o menor desde 2000. Neste ano, as exportações vão superar as importações em apenas US$ 700 milhões. Em 2012, o superavit comercial foi de US$ 19 bilhões e, no ano anterior, de US$ 29,8 bilhões. "Por conta disso, o país, que não precisava de financiamento externo até o início de 2013, agora necessita de 1,03% em relação ao PIB", afirmou. Para 2014, a entidade projeta um saldo comercial de US$ 9 bilhões.

Projeções da CNI

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.