Economia
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

OMC vai traçar mapa para avanço da Rodada Doha em 2014, diz Azevêdo Segundo o diretor-geral do órgão, Roberto Azevêdo, a ideia é usar a experiência adquirida em Bali e se debruçar sobre o assunto até o fim de 2014

Agência Brasil

Publicação: 19/12/2013 19:14 Atualização:

Após o acordo de facilitação de comércio negociado em Bali, a Organização Mundial do Comércio (OMC) traçará um mapa que permita prosseguir com a Rodada Doha. Segundo o diretor-geral do órgão, Roberto Azevêdo, a ideia é usar a experiência adquirida em Bali e se debruçar sobre o assunto até o fim de 2014. “Vamos trocar ideias em Genebra sobre por que Bali deu certo e o que nos levou ao fracasso nos momentos anteriores. Estaremos prontos para ser criativos, para ter a mentalidade aberta e ter a flexibilidade necessária e traçar um mapa factível”, disse.

O diretor-geral declarou que o núcleo central das discussões de Doha será o tripé – agricultura, bens industriais e serviços. Portanto, estará na mesa o tema dos subsídios agrícolas concedidos pela União Europeia. “Dificilmente você vai conseguir avançar em negociações em um desses três pilares sem que os outros dois estejam sobre a mesa igualmente. Na medida em que se fala em avançar na Rodada Doha, está se falando em avançar em agricultura junto com outras áreas de negociação”, disse.

Leia mais notícias em Economia

Azevêdo também voltou a destacar o caráter histórico do pacote de Bali. “Há quase 20 anos não concluímos nenhum acordo multilateral. Chegamos perto várias vezes, mas sempre falhamos no minuto final. Alguns analistas tendem a dizer que o acordo foi pequeno, foi fácil. Na verdade, não foi pequeno e nem fácil. A importância econômica, segundo estimativa de economistas, é que eleve os possíveis ganhos a mais de centenas de bilhões de dólares por ano e até a um trilhão”, disse. O diretor da OMC explicou que, atualmente, está sendo preparada a implementação do acordo. “Estamos negociando como entrará em vigor a legalização e a implementação”.

Roberto Azevêdo comentou ainda o anúncio do Federal Reserve (Fed, o Banco Central dos Estados Unidos) de retirada gradual dos estímulos à economia norte-americana. Segundo ele, até o momento, está mantida a projeção da OMC de crescimento de 4,5% do comércio mundial para o ano que vem, mas que o número pode vir a ser revisto. “Ainda é um crescimento anêmico comparado a taxas históricas, que costumavam ser 6%. Desde 2008 [o crescimento] tem sido inferior”, disse.

Azevêdo deu as declarações em coletiva de imprensa na Confederação Nacional da Indústria (CNI), após reunir-se com o presidente da entidade, Robson Andrade. Foi o primeiro encontro do diretor-geral com o setor privado desde Bali. Ele disse ainda que a indústria brasileira teve papel importante nas negociações e que continuará em contato com a CNI a respeito de Doha.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.