Economia
  • (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Trabalhador poderá receber o salário até por smartphone Bancos e empresas não financeiras serão autorizadas pelo Banco Central a operar com sistema de pagamento de até R$ 1,5 mil por mês. O objetivo é ampliar a concorrência no mercado, derrubar as tarifas e reduzir a quantidade de dinheiro vivo em circulação

Deco Bancillon

Victor Martins

Publicação: 26/12/2013 06:04 Atualização: 26/12/2013 07:14

Na guerra das tarifas bancárias, o consumidor ganhou uma ajuda de peso: o Banco Central (BC). Para estimular as instituições financeiras a reduzirem os custos de contas-correntes e de cartões de crédito e de débito, a autoridade monetária decidiu apostar as fichas no projeto de popularização das contas de pagamento, sistema que a ser oferecido por empresas não financeiras. A partir de maio, os trabalhadores poderão receber até o salário por meio do celular e usar o dinheiro para quitar faturas ou fazer compras em lojas e supermercados.

Num primeiro momento, os depósitos realizados pelo empregador poderão chegar a, no máximo, R$ 1,5 mil por mês. A meta é favorecer, sobretudo, a parcela de trabalhadores sem acesso a serviços financeiros, que hoje chega a 42% da população adulta. Nos modelos atuais, custa caro ter conta em banco ou manter cartões. “Como quase todo mundo no país tem um celular — são mais de 250 milhões de linhas habilitadas —, serviços hoje restritos aos bancos serão ofertados por outras empresas de forma muito simples, a um custo bem baixo”, disse um técnico da equipe econômica envolvido com o assunto.

Sem burocracia
O governo entende que, para ser viável, a conta de pagamentos terá de atender um conjunto de regras. Primeiro, ser acessível até mesmo nas regiões mais pobres e longínquas do país — algo possível via rede de telefonia celular. Segundo, ser desburocratizada e de fácil manejo. Assim, serão exigidos do titular dessa conta apenas o nome e o número do Cadastro de Pessoa Física (CPF).

O BC percebeu que para forçar a queda das tarifas bancárias e dos cartões era preciso estimular a concorrência. Por isso, a inclusão de novos participantes no mercado. As empresas não financeiras ficarão impedidas, porém, de atuar como bancos. Não poderão, por exemplo, conceder crédito ou movimentar os valores dos clientes. “Só pelo fato de o cidadão receber o salário dele em uma conta que pode ser movimentada por celular, o sistema financeiro tradicional terá de rever os custos que impõe à clientela. E isso passa, inclusive, por juros menores”, assinalou um técnico do BC.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.
Tags:

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: Shayllon Marinho Trindade
Eu só sei que o meu celular já não funciona nos dias normais... agora, então, imagine só em dia de pagamento! | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.