Economia
  • (2) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Conseguir um emprego novo deve ser ainda mais difícil no ano de 2014 Ritmo lento da economia e baixa qualificação dos profissionais vão tirar o fôlego do mercado de trabalho e impactar a renda em 2014

Simone Kafruni

Sílvio Ribas

Publicação: 31/12/2013 07:00 Atualização:

Maior trunfo dos governos petistas na economia, a taxa de desemprego em níveis historicamente baixos nos últimos anos vai encontrar um quadro menos favorável em 2014. Além do controle da inflação, a manutenção do pleno emprego e a melhoria da qualificação dos trabalhadores (veja matéria abaixo) serão os maiores desafios do Palácio do Planalto, sobretudo em razão da perda de fôlego das contratações na indústria.

Mesmo que não ocorra uma piora substantiva no mercado de trabalho no ano que começa amanhã, a continuidade dos indicadores recordes tende a ficar insustentável. Em novembro, a taxa de desemprego recuou para 4,6%, o mais baixo patamar desde 2002, quando a pesquisa oficial do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) passou a adotar a atual metodologia. Ocorre que esse recorde refletiu, em maior medida, não o aumento da oferta de vagas, mas a redução do número de pessoas à procura de trabalho, que preferiram ficar na inatividade.

A criação de novos postos ainda é uma importante contribuição para a taxa geral, só que vem acontecendo em ritmo mais lento que o verificado no começo da década. No acumulado de 2013 até novembro, a geração de emprego com carteira assinada caiu quase 45% em relação a igual período de 2011, quando o indicador começou a dar sinais de fraqueza. O Ministério do Trabalho prevê a abertura líquida de 1,4 milhão de vagas formais neste ano, número bem menor que o de anos anteriores. Para reforçar essa tendência, a absorção pelos setor de comércio e serviços do pessoal liberado pelo setor industrial será menor daqui em diante.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (2) comentários

Autor: Glauber Machado
Não houve nenhuma redução do deesmprego. O que acontece é que esse Governo não conta aqueles que recebem bolsa família como desempregados. | Denuncie |

Autor: Vanderlei Alles
Qualificação já está algumas décadas em decadência. As escolas, principalmente em Brasília, preparam o aluno de ensino médio para concurso, em vez de formar profissionais e/ou cidadãos que querem entrar em Universidades. E as faculdades particulares viraram comércio, para gerar n° para esse Governo. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.