Economia
  • (3) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Restrição do crédito deverá fazer o país crescer menos Com as taxas de juros subindo e a menor capacidade das famílias de assumirem dívidas, os bancos serão mais seletivos na concessão de empréstimos e financiamentos. O dinheiro mais caro e restrito fará o consumo perder força e prejudicará a produção e o varejo

Victor Martins

Publicação: 04/01/2014 08:00 Atualização: 04/01/2014 09:03

O vendedor Sérgio Antunes, 43 anos, anda ressabiado. Apesar dos sinais ainda positivos dados pelo mercado de trabalho, começou a sentir o incômodo de ver dois de seus amigos de longa data perderem o emprego nos últimos três meses. “Quando soube das demissões, fiquei atônito. A desculpa das empresas foi a mesma: necessidade de reestruturação do quadro de pessoal”, conta. Um dos dois amigos, que trabalhava em uma fábrica de autopeças, já se recolocou no mercado. O outro, contador, só ouviu não nas entrevistas às quais se submeteu em busca de uma vaga.

Foi justamente esse caso que acendeu o sinal de alerta de Sérgio. Temeroso de que o desemprego possa bater à porta dele, avisou à família: nada de dívidas nos próximos 12 meses. É o tempo que ele acredita ser necessário para ter a ideia de como ficará a economia do país. Com a Copa do Mundo e as eleições presidenciais no meio do caminho, o vendedor quer a garantia de que a pessoa que comandará o Palácio do Planalto quando 2015 chegar não fará mais estripulias na economia. Muito pelo contrário. A torcida de Sérgio é para que todos os ajustes necessários sejam feitos sem traumas, a fim de que os juros possam voltar a cair e ele, trocar o carro e, quem sabe, finalmente, dar entrada na tão sonhada casa própria.

A precaução do vendedor não é exceção. Como ele, boa parte dos brasileiros que foram às lojas e se empanturraram de dívidas, devido ao crédito farto, decidiu reduzir as compras. Por isso, dizem os especialistas, dificilmente o próximo presidente da República poderá contar com a força do consumo das famílias como mola propulsora do crescimento. “Esse modelo se esgotou. Agora, o país precisa de investimentos produtivos”, diz Cláudio Porto, presidente da Consultoria Macroplan.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.
Tags:

Esta matéria tem: (3) comentários

Autor: José A. S. Neto
"O povo é como boi que, só não é o rei dos animais, PORQUE NÃO SABE A FORÇA QUE TEM" dizia meu avó em sua santa ignorância de um matuto analfabeto. Se o povo aprendesse e raciocinasse: - Não existiriam juros altos e até mesmo juros baixos. - Existiriam mais produtores e menos atravessadores, etc. | Denuncie |

Autor: janne ake
obviamente, não tm o salário brasileiro normal, pagar dívidas, quando os bancos colocam juros de usura no crédito e taxas. Na Suécia, é proibido por lei a exigir mais do que 3% ao mês. Taxa de empréstimo A maioria dos bancos, de 6% ao ano. Taxa de juros de empréstimo de alojamento é de 2% ao ano. | Denuncie |

Autor: LUIZ SILVA
Realmente, concordo em restringir crédito para quem não tem capacidade de pagar. Tem um monte de Zé Ruela comprando carro sem ter condição de pagar. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas