Economia
  • (5) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Brecha do STF que permite supersalários na Câmara pode beneficiar o Senado Liminar que permite a servidores da Câmara receberem rendimentos acima do teto pode beneficiar a outra Casa legislativa

Bárbara Nascimento

Publicação: 09/01/2014 06:02 Atualização: 09/01/2014 08:58


Para Marco Aurélio Mello, os casos têm de ser avaliados individualmente, com a garantia ao direito de defesa  (Carlos Humberto/SCO/STF - 4/12/13)
Para Marco Aurélio Mello, os casos têm de ser avaliados individualmente, com a garantia ao direito de defesa


A brecha aberta pelo Supremo Tribunal Federal (STF), ao conceder liminar liberando um servidor da Câmara dos Deputados a receber o salário acima do teto constitucional, pode transformar em farra os supersalários no Legislativo. Além de beneficiar outros 1.370 funcionários da Casa, a decisão abre precedente para que 528 trabalhadores do Senado que ganham mais que os ministros do Supremo sejam beneficiados. A economia com o corte dos excessos chega a R$ 87 milhões ao ano.

O concursado que entrou com mandado de segurança na Corte alegou que a Câmara havia cortado o excedente do salário sem dar a ele o direito de defesa. Em 18 de dezembro passado, o ministro do STF Marco Aurélio Mello acatou o argumento. Antes disso, contudo, o Supremo havia negado dois pedidos de liminares do Sindicato dos Servidores do Poder Legislativo (Sindilegis) para derrubar a obrigação, imposta pelo Tribunal de Contas da União (TCU), de cortar os supersalários e exigir, além disso, que parte desses funcionários devolvesse o excedente recebido.

Leia mais notícias em Economia

Em entrevista ao Correio, Mello explica que não existe contradição entre as decisões. “O que houve é que o sindicato entrou com um mandado de segurança para suspender a decisão do TCU. Indeferi e sinalizei que, conforme o acórdão do tribunal, a Câmara teria de apreciar caso a caso, viabilizando o direito de defesa”, explicou o ministro. “O contraditório é mola mestra, espinha dorsal, em um processo administrativo que visa alterar a situação constituída. Vamos consertar o Brasil, mas sem retrocessos.”

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (5) comentários

Autor: antonio alves
ESSE MINISTRO NÃO TEM NENHUM SENTIMENTO DE JUSTIÇA. BEM PODERIA VERIFICAR QUANTO GANHA A TOTALIDADE DO TRABALHADOR NO BRASIL. | Denuncie |

Autor: aparecida gomes
Que país é esse? claro que é o Brasil onde não respeitam leis, só pensam em si, para que existe constituição se ela é uma letra morta, que horror porque não fazem uma constituição para o povo e outra para o servidor do legislativo. O teto constitucional tem q ser respeitado por todos a ele submetido. | Denuncie |

Autor: Alvaro Brito
No Brasil temos que acabar com essa que técnico = nível médio, hoje temos técnicos com doutorado! | Denuncie |

Autor: cleverson jose de souza souza
Já dizia Luis Felipe D`Ávila, Teólogo Irlandês, que esse comportamento trata-se de postura de garimpeiros e que só pensam em dilapidar a nação, extrair privilégios sem se preocupar com a próxima geração! | Denuncie |

Autor: wilton veloso
Esse pessoal ainda quer aumento salarial? Olha se houvesse uma redução de 80% no quadro de pessoal das duas casas, ainda ficaria gente ociosa. Tai uma categoria inútil, que não produz nada de útil pra nação, e ainda querem ganhar super salários. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas