Economia
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Apesar do consumo, economia alemã desacelera em 2013; PIB cresceu 0,4% É a primeira vez desde 2009 e do começo da crise que o comércio externo da Alemanha não contribui para o crescimento da economia; investimentos caíram 2,2%

France Presse

Publicação: 15/01/2014 16:55 Atualização:

A economia alemã registrou em 2013 o menor crescimento desde 2009, devido a um começo de ano difícil e um último trimestre sem fôlego, apesar da recuperação do consumo privado. O Produto Interno Bruto (PIB) da primeira economia europeia cresceu 0,4%, após 0,7% em 2012 e mais de 3% em 2011.

"Após uma fase de fragilidade no inverno passado, a economia alemã voltou a crescer de forma moderada durante o ano", explicou Roderich Egeler, presidente do Escritório Federal de Estatísticas (Destatis) em uma coletiva de imprensa em Berlim.

O frio e o longo inverno de 2012/2013 paralisaram alguns setores da economia, fazendo com que o primeiro trimestre tivesse crescimento nulo, embora no segundo tenha se recuperado (+0,7%), antes de desacelerar novamente no terceiro (+0,3%).

Leia mais notícias em Economia

No último trimestre do ano, a tendência de queda foi mantida com um avanço do PIB de cerca de 0,25%. Os dados definitivos do crescimento para o último trimestre e para 2013 serão conhecidos no dia 14 de fevereiro e serão os mais baixos desde 2009, quando a crise econômica e com que a locomotora europeia perdesse 5,1% do PIB.

Além disso, o crescimento de 2013 está abaixo da média dos últimos dez anos (2002-2012), de 1,2%. Contudo, para o presidente da Destatis, a Alemanha está melhor que o resto da Europa, cuja atividade estagnou em 2013, e muito melhor que seus sócios do euro, que se contraíram 0,4%.

Sem considerar a evolução dos preços, o PIB da Alemanha subiu em 2013 a 2,7 trilhões de euros. Como a tendência aponta, a demanda interna está se transformando em um pilar da economia alemã, muito dependente, até pouco tempo, do poderio exportador.

O consumo privado cresceu 0,9%, depois de 0,8% em 2012, enquanto as exportações aumentaram 0,6%, frente a 3,2% do ano anterior, menos que as importações (+1,3%).

Consumo, motor em 2014


"A contribuição do consumo foi decisiva para o crescimento" em 2013, declarou à AFP, Roderich Egeler, graças a um mercado de trabalho "muito robusto".

É a primeira vez desde 2009 e do começo da crise que o comércio externo da Alemanha não contribui para o crescimento da economia. Os investimentos caíram 2,2%.

Para Andreas Rees, analista do UniCredit, "os dados nos lembram qual foi a 'verdadeira' força da Alemanha no ano passado. Apesar de muitos no exterior ainda pensarem que o motor da economia alemã está nas exportações e se queixarem dos superávits comerciais, é exatamente o contrário o que aconteceu".

Os superávits alemães foram muito criticados no final do ano passado, em particular pelos Estados Unidos que espera que os alemães consumam mais para sustentar o crescimento de seus sócios. Inclusive Bruxelas iniciou uma pesquisa a respeito.

Segundo Johannes Gareis, economista da Natixis, o consumo privado continuará sendo o motor do país em 2014, graças a um "mercado de trabalho sólido, taxas de juros baixas e aumento salarial", enquanto as exportações continuarão tendo um "papel menor".

As previsões atuais apontam para uma líquida recuperação em 2014. O governo antecipa um crescimento de 1,7% e o Fundo Monetário Internacional (FMI), 1,4%.

Em 2013, as contas da Alemanha ficaram de novo no vermelho, com um déficit público de 0,1% do PIB, longe do pequeno superávit registrado um ano antes, segundo a Destatis.

Contudo, o governo alemão, que continua sendo o instigador do saneamento das finanças públicas, espera recuperar o equilíbrio fiscal a partir de 2014.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.