Economia
  • (3) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Jovens da classe C dominam shoppings com potencial de consumo de R$ 130 bi A força desse público é tamanha que supera até mesmo a massa de rendimentos da parcela mais rica da população

Victor Martins

Publicação: 21/01/2014 06:04 Atualização: 21/01/2014 08:42

As amigas Maria do Socorro Dias (de cabelo vermelho) e Lois Almeida gastam quase  tudo o que ganham com celulares e roupas: estilo próprio (Daniel Ferreira/CB/D.A Press)
As amigas Maria do Socorro Dias (de cabelo vermelho) e Lois Almeida gastam quase tudo o que ganham com celulares e roupas: estilo próprio


Os jovens de classe C dominaram os shoppings e centros comerciais do país. Com um potencial de consumo de R$ 130 bilhões por ano, eles se transformaram nos principais clientes dos lojistas instalados nesses locais. A força desse público é tamanha que supera até mesmo a massa de rendimentos da parcela mais rica da população, cujo desembolso anual, nesse tipo de comércio, chega a R$ 80 bilhões. Os números são de uma pesquisa realizada pelo Instituto Data Popular, cujos dados revelam ainda que esses brasileiros têm duas demandas principais: eletrônicos e marcas da moda.

A vendedora Lois Almeida, 18 anos, está prestes a terminar o ensino médio. Conseguiu o primeiro emprego há três meses e se empolgou nas compras. “Estourei todos os cartões de crédito com roupas e diversão”, disse, em tom de brincadeira. Ela e a amiga Maria do Socorro Dias, 18, também vendedora, gastam tudo o que recebem com celular e vestimentas. “O meu estilo é mais rock”, observa. Lois, que também trabalha como modelo, se inspira no movimento hip-hop, gosta de comprar roupas e de customizá-las. “Assim, sempre tenho algo bonito e de marca, mas que é só meu”, afirmou.

Leia mais notícias em Economia

As duas amigas, moradoras de Ceilândia, integram a classe C e, por meio das compras e da moda, desfrutam da ascensão social que levou milhões de brasileiros ao mercado consumidor nos últimos 10 anos. “Antes, eu era bem comum. Até que conheci um pessoal do hip-hop. Me acho muito mais bonita. Agora que comecei a trabalhar, sou independente e posso manter meu estilo com meu próprio dinheiro”, disse Lois.

Como elas, os irmãos Vinícius e Eduardo Tomás, de 17 e 13 anos, e o amigo Bruno Henrique da Silva, 14, deixam grandes somas no shopping para seguir o estilo funk ostentação. “Como as aulas estão prestes a voltar, viemos comprar mochila e tênis”, explicou Vinícius. “E tem de ser um tênis da hora”, reforçou Eduardo.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (3) comentários

Autor: Fabio
E viva o crédito e consumo desenfreados! | Denuncie |

Autor: Cidadão Kane
Esse é o futuro do nosso país! Tão jovens e gastando o que tem e o que não tem com coisas que não valem o seu preço. Poupar que é bom nada | Denuncie |

Autor: alvailton santos
Estão criando um geração que não tem nenhum amor ao próximo, é sim a consumo e aparência, ser um grande problema para próxima geração do país, já basta a geração perdida pelo ECA. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.