publicidade

Setor de serviços cresce 14% no Distrito Federal

Demanda do poder público e mercado imobiliário aquecido fazem setor ter desempenho acima da média nacional

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 23/01/2014 06:03 / atualizado em 23/01/2014 08:22

Victor Martins , Guilherme Araújo


Iano Andrade/CB/DA Press


Apesar do ritmo fraco da economia como um todo, os serviços seguem pujantes no país, sobretudo no Distrito Federal, unidade da Federação onde o segmento mais cresceu em 2013. Segundo pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), enquanto no Brasil o faturamento do setor avançou 8,5% no período de 12 meses até novembro, na capital o avanço foi maior, de 14%. Apenas no penúltimo mês de 2013, o ramo classificado como outros serviços, que envolve terceirização de mão de obra, processamento de dados e serviços imobiliários, registrou incremento de 60,8% na cidade. A demanda do poder público e o surgimento e expansão de empresas na região explicam os dados.

Em nível nacional, o crescimento foi puxado exclusivamente pela alta dos preços. Isso porque o custo do segmento para famílias e empresas avançou exatamente na medida da inflação verificada no setor em 2013. Ou seja, o consumidor pagou mais caro, mas não houve aumento da oferta de serviços ou da produtividade. “Realmente foi preço, e não produtividade. Se a inflação cresceu no mesmo ritmo do faturamento, não houve aumento de oferta”, explicou Roberto Saldanha, técnico do IBGE.

Para Saldanha, os ganhos de produtividade, e, consequentemente, de oferta, podem vir dos ramos de comunicação e de transporte, áreas onde há espaço para expansão. Nos serviços prestados às famílias, há limitadores, como o endividamento excessivo dos brasileiros e a própria inflação.



A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

publicidade

Tags:
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade