Economia
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Barack Obama desafiará o Congresso em termos de retomada econômica Em seu sexto ano de mandato e em um contexto de melhora gradual da economia, o presidente democrata continua a ter "objetivos ambiciosos"

France Presse

Publicação: 28/01/2014 13:59 Atualização:

Washington - O presidente Barack Obama deve apresentar nesta terça-feira (28/1) aos membros de um Congresso relutante em apoiar as suas reformas medidas unilaterais para acelerar a recuperação econômica e reduzir as desigualdades em seu discurso anual sobre o estado da União. Esperado para as 21h local (0h de quarta-feira no horário de Brasília) no Capitólio, em Washington, o presidente dos Estados Unidos deve retomar um de seus temas favoritos, o apoio à classe média e aqueles que querem chegar lá, de acordo com a sua equipe.

Em seu sexto ano de mandato e em um contexto de melhora gradual da economia, o presidente democrata continua a ter "objetivos ambiciosos", assegurou na segunda-feira seu porta-voz, Jay Carney. Este último defendeu que Obama não deve se resignar a uma agenda atrofiada, depois de um 2013 marcado por muitas derrotas legislativas, seja sobre o controle das armas de fogo até a ajuda aos desempregados passando pela reforma da imigração.

O lançamento fracassado de um dispositivo essencial da reforma do seguro de saúde, o Medicare, também deixou marcas nas pesquisas de opinião. Obama conta atualmente com uma aprovação um pouco acima de 40%. Mas Obama continua "otimista" e até mesmo "entusiasmado", segundo Carney, enquanto a Casa Branca apresentou o ano de 2014 como um "ano de ação".

"Vamos usar todos os meios à sua disposição para avançar, colaborar com o Congresso para aprovar leis quando o Congresso quiser trabalhar com ele", disse o porta-voz. Desde o início de 2011, Obama deve lidar com uma Câmara de Representantes de maioria republicana, o que impediu, por exemplo, operar um novo equilíbrio de tributação em favor dos mais necessitados.

As divergências sobre as receitas e despesas culminaram em outubro, após mais de duas semanas de bloqueio. Desde então, os eleitos conseguiram chegar a um compromisso sobre as orientações orçamentais a médio prazo, mas outras crises continuam a ameaçar, como o aumento necessário do limite legal da dívida federal.

"Ele utilizará sua caneta e seu telefone"

A situação é complicada pelo fato de que muitos políticos estão preocupados com o seu futuro pessoal: toda a Câmara e um terço do Senado serão renovados em novembro durante as legislativas de meio-mandato. Tal como está, os democratas parecem ter pouca chance de recuperar a maioria. Em 2012, visando os republicanos durante sua campanha presidencial, Obama já havia semeado o lema "não podemos esperar" que o Congresso atue.

Leia mais notícias em Mundo

"Reconhecendo que o Congresso, por vezes, se recusa a cooperar, (o presidente) irá exercer a sua autoridade. Vai usar sua caneta e seu telefone para fazer avançar um programa dedicado a melhorar as oportunidades de sucesso" para os americanos, de acordo com Carney. Em dezembro, Obama tinha desejado "investimentos em educação, leis sobre os direitos sindicais e (uma apreciação do) salário mínimo".

Mas este exercício tem seus limites, pois a Constituição dos Estados Unidos define um bom equilíbrio de poderes. Apenas a Câmara tem a autoridade para iniciar novas despesas, por exemplo. "A verdade é que, se ele não quiser que passem por cima de sua autoridade, o que certamente seria mal recebido pelos americanos e o Congresso, há poucas coisas que o presidente pode fazer sozinho", observou Brendan Buck, porta-voz do presidente republicano da Câmara, John Boehner, exortando Obama a trabalhar com os conservadores em apoio à exportação, a imigração e a infra-estrutura.

O discurso sobre o estado da União nos termos do artigo 2, seção 3 da Constituição afirma que "o presidente deverá informar o Congresso, periodicamente, o estado da União", e pronunciar aos 435 membros da Câmara, os 100 senadores, ministros, juízes do Supremo Tribunal e os chefes do exército, entre outros órgãos constitucionais.

Americanos emblemáticos ou merecedores terão a honra de sentar-se ao lado da "primeira-dama" dos Estados Unidos durante o discurso. Michelle Obama convidou este ano entre outras pessoas dois sobreviventes do atentado de Boston e o primeiro jogador de basquete da NBA abertamente gay, Jason Collins. A novo chefe da General Motors, Mary Barra, também foi convidado.
Tags:

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas