Economia
  • (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Dívida Pública Brasileira atinge R$ 2,122 trilhões em 2013 Em relação ao ano anterior, o montante representa cerca de R$ 120 bilhões a mais do estoque da dívida

Deco Bancillon

Publicação: 29/01/2014 15:15 Atualização: 29/01/2014 15:17

O estoque de papeis da Dívida Pública Brasileira negociados no mercado financeiro atingiu, em 2013, volume recorde de R$ 2,122 trilhões. O montante representa cerca de R$ 120 bilhões a mais do estoque da dívida em 2012.

A dívida é o montante de dinheiro que o governo deve a investidores em forma de papeis, que ainda serão resgatados em uma data futura. Quanto mais o governo gasta em investimentos para custear a máquina administrativa, maior é a necessidade do estado recorrer ao mercado de títulos para levantar o dinheiro necessário.

Entre os papeis vendidos pelo Tesouro Nacional no mercado, a maior parte foi de títulos prefixados. Esse tipo de papel representou 42% da dívida mobiliária ao fim de 2013. Os títulos prefixados garantem uma remuneração pré-acordada com cada investidor. Em tese, eles são mais baratos para o governo e mais fáceis de serem administrados. Por isso, o governo vinha tentando aumentar a participação desses papeis na dívida ao longo dos últimos anos.

Leia mais notícias em Economia

Em 2013, a meta era que os prefixados atingissem 45% da dívida, mas o volume total chegou apenas a 42%. Isso ocorreu porque, ao longo de boa parte ano passado, o Banco Central (BC) deu início ao processo de alta nos juro básico da economia brasileira, a Selic. A taxa subiu de 7,25%, em abril de 2013, para 10,5%, em janeiro deste ano.

Quanto maior for a taxa de juros, menos será a rentabilidade nos títulos prefixados, o que explica o desinteresse dos investidores nesses papeis. Não por acaso, os títulos chamados de flutuantes, que acompanham a Selic, totalizaram no ano passado 19,1% da dívida. O governo espera reduzir esse percentual para, no máximo, 19% da dívida. Mas não conseguiu esta meta ao fim de 2013.

Em instantes, o Secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin, deverar comentar os motivos pelos quais o governo descumpriu parte das metas fixadas pelo Plano Anual de Financiamento (PAF).

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: Ernani oliveira
SÓ ISSO? PENSEI QUE ESTAVA MAIS!!! PRESIDENTA, VAMOS GASTAR MAIS!!! | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.