Economia
  • (9) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Gastança desenfreada revela falta de critério no uso do dinheiro público Parte visível das despesas indica farra com transferências de pessoal, auxílio-moradia e acomodação de apadrinhados políticos em cargos estratégicos

Victor Martins

Bárbara Nascimento

Antonio Temóteo

Publicação: 02/02/2014 08:00 Atualização:

Ao trocar as belezas naturais do Rio de Janeiro pelo cenário moderno de Brasília, um recém-comissionado do governo não imaginava que receberia tanto dinheiro. Na transferência para a capital federal, além da mudança bancada pelos cofres públicos, recebeu ajuda de custo equivalente a três meses do novo salário, uma para ele, outras duas para a mulher e o filho menor de idade. Embolsou, livres de impostos, R$ 54 mil. Dois meses depois, com a demissão do chefe que o convidou para o cargo, acabou dispensado. Sem alternativa e decepcionado, retornou para o Rio. Mas, para surpresa dele, não só teve os bilhetes aéreos e o transporte pagos novamente pelo governo, como ainda recebeu mais R$ 54 mil de ajuda de custo. Nesse curto período, engordou a conta bancária em R$ 108 mil por conta do Tesouro Nacional.

Leia mais notícias em Economia

O dinheiro extra levou o ex-comissionado a se perguntar: “Realmente tenho direito a esses benefícios, ainda que a lei os preveja? A decisão de mudar de cidade foi minha. No máximo, as passagens aéreas e o gasto com o transporte dos móveis de casa são justificáveis. Mas receber
R$ 108 mil em dois meses passou da conta”, ressalta ele, que não quer se identificar, temendo represálias. “No pouco tempo que permaneci em Brasília, ficou a impressão de que as pessoas do governo acreditam que o dinheiro do contribuinte é capim, nasce em qualquer lugar”, afirma.

A gastança com as benesses do alto escalão da Corte brasiliense espanta gestores públicos de países mais civilizados. Carros, voos executivos, almoços e jantares nos melhores restaurantes, internet e telefones ilimitados podem ser obtidos facilmente quando se entra nesse mundo. A depender do degrau alcançado na escada do poder, quase tudo é possível. Parte das mordomias atende também o funcionalismo dos segundo e terceiro escalões. N o ano passado, Executivo, Judiciário e Legislativo consumiram em toda sorte de benesses R$ 10,7 bilhões. Essa, porém, é a parte visível da farra com o dinheiro do contribuinte.

 

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (9) comentários

Autor: valdir braz
Quando vc vai a um órgão público do Governo Federal procurar um Processo de um pedido que vc protocolou, nunca é atendido por funcionários públicos de chefia ou direção, sempre manda um ESTAGIÁRIO lhe atender, dizendo que infelizmente não pode fazer nada, que os chefes estão em reunião. | Denuncie |

Autor: jose manoel mendes
Qual é a novidade? | Denuncie |

Autor: Alcides Barros
Isso ajuda explicar o caos que o país vive nos serviços públicos, todos de péssima qualidade; É só ver como anda a educação, saúde, segurança, moradias, transportes, portos, aeroportos, rodovias e etc, etc, etc,. A situação em si denuncia o governo perdulário e ineficiente que temos no Brasil. | Denuncie |

Autor: joao silva
Sugiro que o funcionário doe este dinheiro para uma instituiçao beneficiente séria. | Denuncie |

Autor: paulo Vaz
Pelo vimos na matéria acima, não causa espanto e nem surpresa , pois, somos um País rico , onde o povo suporta bem esses gastos ! A prova é que , o povo não reclama , pois, já está acostumado com esse tipo de gasto . O que lamentamos é que esse ´gasto é pago com dinheiro público ! Viva o Brasil !!!!! | Denuncie |

Autor: Adeilsa Sekisugi
no passado andavam de jegue e jumento, agora estão tirando o atraso. | Denuncie |

Autor: Rita Gomes
Nossa! Que novidade! | Denuncie |

Autor: Paulo Costa
Farra PeTralha c/ o dinheiro público, começando pelas viagens nababescas de nossa Presidenta e suas Comitivas...e, por falar nisso, por onde anda PTRose? Esse "comissionado' deve ser um dos "filiados"/um dos "apadrinhados" do Partido das Trevas, q recebe do Tesouro e contribui c/o "caixa" ParTidário. | Denuncie |

Autor: Adeilsa Sekisugi
sem falar que esse povo não liga a mínima para o trabalho e se trabalha é com raiva o tempo todo. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.