Economia
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Desconfiança de investidores deixa rastro de prejuízos em emergentes Indicador de tendência de negócios nos EUA recua ao nível da véspera da crise, agravando a aversão dos investidores ao risco de países emergentes. Não houve nenhuma valorização entre as ações do Ibovespa, que caiu 3,13%. Petrobras desaba quase 6%

Vicente Nunes - Correio Braziliense

Simone Kafruni

Publicação: 04/02/2014 06:02 Atualização: 04/02/2014 08:52

Uma maré vermelha tomou conta dos mercados financeiros ontem, deixando um rastro de prejuízo como há tempos não se via no mercado. O nervosismo foi tamanho que nenhum dos 72 papéis que compõem o Ibovespa, principal índice de lucratividade da Bolsa de Valores de São Paulo, (BM&FBovespa) apontou alta. Para 13 das principais ações, houve recuo de mais de 4%. O indicador cravou baixa de 3,13%, para os 46.147 pontos, puxado pelo péssimo desempenho dos títulos da Petrobras, que tombaram 5,78%. Foi o maior tombo da bolsa desde 2 de julho de 2013. Neste ano, os prejuízos chegam a 10,4%.

No entender dos especialistas, houve uma conjugação de fatores negativos que disseminaram o pânico nos mercados. Além dos temores em relação às economias emergentes, em meio a dados fracos da atividade industrial da China, os investidores se assustaram com a perda de fôlego da produção fabril nos Estados Unidos e com o deficit recorde na balança comercial brasileira em janeiro. “Os emergentes ficaram na mão desde que a China mostrou desaceleração e os Estados Unidos passaram a reduzir seu programa de estímulos. E o Brasil sofre mais por não ter feito o dever de casa, convivendo com baixo crescimento, inflação alta e contas públicas desajustadas”, disse o economista-chefe da Órama Investimentos, Álvaro Bandeira.

Leia mais notícias em Economia

Frustração
Lino Gill, analista da DX Investimentos, destacou que o ISM Manufacturing Index dos EUA, um forte indicador de tendência dos negócios, veio abaixo do esperado. O consenso do mercado estava em 56 pontos, e o número divulgado foi 51,3. “O recuo é preocupante, porque está próximo do nível pré-retração da economia”, afirmou. “Também ISM da China foi mais fraco que o esperado, afetando as ações de siderúrgicas brasileiras e da Vale, que exportam minério para o país asiático”, acrescentou Jason Vieira, do portal Moneyou.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.