publicidade

População pobre é a principal vítima de apagões que atingem o país

Determinação às distribuidoras é a de que, em casos de blecautes, seja suspenso, prioritariamente, o fornecimento às áreas menos favorecidas, onde não haja prédios, hotéis e fábricas. Dilma teme que a falta de luz em regiões carentes prejudique a reeleição

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 06/02/2014 06:05 / atualizado em 06/02/2014 09:19

Sílvio Ribas

A maior parte dos brasileiros prejudicados pela série de apagões ocorridos desde a posse da presidente Dilma Rousseff — o mais recente deles aconteceu anteontem e afetou mais de 6 milhões de pessoas em 13 estados e no Distrito Federal — está nas camadas mais pobres da população, sobretudo moradores das periferias das principais metrópoles do país. Em virtude de protocolos obedecidos pelas concessionárias de distribuição de eletricidade durante o que as empresas chamam de grandes “perturbações” do Sistema Interligado Nacional (SIN), a ordem é cortar o fornecimento nas áreas menos favorecidas e populosas, onde não haja prédios, hotéis e empresas.

Gestores das companhias estaduais de energia explicam que o procedimento técnico conhecido como Esquema Regional de Alívio de Carga (Erac), coordenado pelo Operador Nacional do Sistema (ONS), impõe cortes seletivos com o critério de evitar transtornos nos principais centros comerciais e empresariais e na regiões mais ricas, como, por exemplo, a Zona Sul do Rio, devido à maior concentração de empreendimentos de grande porte. “Os problemas decorrentes de falta de energia são maiores nas áreas em que há prédios, pois há o risco de pessoas ficarem presas em elevadores e de terem que descer muitos andares de escada. Nas áreas residenciais, é menos traumático ficar sem luz, mesmo que por algumas horas”, disse um técnico consultado pelo Correio.

Leia mais notícias em Economia

Nos bastidores do governo, há, porém, preocupação com esse processo seletivo, pois o público mais prejudicado pelos blecautes está na base eleitoral da presidente Dilma Rousseff. Caso os apagões se tornem frequentes, como alertam os especialistas, podem tirar votos importantes para a reeleição da petista neste ano. Nas reuniões internas do governo, ocorridas nos últimos dois dias e comandadas pela presidente, o clima é de apreensão. Não bastassem os problemas na economia, com inflação e juros em alta e baixo crescimento econômico, agora o fantasma do racionamento voltou a assombrar o Palácio do Planalto, onde não se admite a possibilidade da repetição de 2001, quando o então presidente Fernando Henrique Cardoso foi obrigado a limitar o consumo de energia, provocando enorme desgaste ao governo na época.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade