Economia
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Rússia está pronta para aumentar taxas de juros para fortalecer moeda O Banco Central correspondeu à expectativa do mercado ao deixar sua taxa de juros inalterada a 5,50% nesta sexta-feira

France Presse

Publicação: 14/02/2014 17:03 Atualização:

Moscou - O Banco Central da Rússia sinalizou nesta sexta-feira (14/2) que pode endurecer as políticas em resposta a uma queda do rubro maior que as divisas de outras economias emergentes. O Banco Central correspondeu à expectativa do mercado ao deixar sua taxa de juros inalterada a 5,50% nesta sexta-feira (14), com base em taxas moderadas de inflação e um crescimento decepcionante.

Contudo, o banco se desviou do seu caminho para evitar que a inflação continuasse sendo um risco devido à queda do rublo em relação ao dólar excedendo 7% desde o começo do ano. "A principal fonte de incerteza para esta previsão é o risco de inflação ligado ao ritmo acelerado da alta dos preços no final de 2013 e o enfraquecimento da moeda nacional", disse o banco em um comunicado.

"Se os efeitos negativos desses fatores contaminarem os preços de uma ampla variedade de produtos e serviços e as expectativas das pessoas, aumenta a probabilidade de a inflação se desviar de seus objetivos de médio prazo", acrescentou. "Neste caso, o Banco Central estará pronto para fortalecer sua política monetária".

Leia mais notícias em Economia

O comunicado do Banco Central foi emitido momentos depois de o rublo alcançar uma queda histórica em relação ao euro nas negociações da Bolsa de Moscou. Analistas da VTB Capital estimam que as moedas dos mercados emergentes perderam 1,5% do valor em relação ao dólar desde o começo do ano.

Isso faz o rublo ter o pior desempenho do mundo emergente. O rand da África do Sul é o segundo pior da lista com perdas de 4,5%. Os economistas disseram que o Banco Central comprou mais de US$8 bilhões, no mercado de Moscou em janeiro em um esforço para impedir que o rublo caia mais.

O volume foi o maior desde o colapso econômico russo de 2008-2009. Os mercados emergentes sofreram desde que o Federal Reserve começou a reduzir seus estímulos monetários, levando os investidores a deixar investimentos de risco, antecipando um aumento das taxas de juros dos títulos dos EUA.
Tags:

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas