Economia
  • (3) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Horário de verão propicia ao país economia de R$ 405 milhões, diz ONS A medida propiciou uma redução de aproximadamente 4,1% da demanda por energia. No domingo, os relógios terão que ser atrasados em uma hora nos estados das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste

Agência Brasil

Publicação: 14/02/2014 17:18 Atualização:

Com o final do horário de verão à meia-noite deste domingo (16/2), quando os relógios terão que ser atrasados em uma hora nos estados das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, o país terá economizado R$ 405 milhões nos 120 dias da vigência da medida, instituída pela primeira vez no verão de 1931/1932.

A medida começou a valer no dia 20 de outubro do ano passado e propiciou uma redução de aproximadamente 4,1% da demanda por energia de ponta dos dois sistemas. Desse percentual, 4,3% foi economizado no Subsistema Sul, e 4,1% no Sudeste/Centro-Oeste.

Os dados sobre o comportamento do Sistema Interligado Nacional (SIN), no período de vigência do horário de verão, foram divulgados na tarde desta sexta-feira (14/2) pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) e apontam para uma redução da demanda por energia elétrica no horário de ponta da ordem de 2.565 megawatts (MW), sendo 1.915 MW no Subsistema Sudeste/Centro-Oeste e 650 MW no Subsistema Sul.

O Operador Nacional do Sistema informou que, no caso do Subsistema Sudeste/Centro-Oeste, a redução equivale a, aproximadamente, 50% da carga no horário de ponta da cidade do Rio de Janeiro (6,4 milhões de habitantes), ou a duas vezes a carga no horário de ponta de Brasília (2,6 milhões de habitantes). No Sul, representa 75% da carga no horário de ponta de Curitiba (1,8 milhão de habitantes).

Leia mais notícias em Economia

Para o ONS, no entanto, o principal benefício do horário de verão “foi o aumento da segurança operacional, resultante da diminuição dos carregamentos na rede de transmissão, que proporcionou maior flexibilidade operativa para realização de manutenção em equipamentos”.

Do total de R$ 405 milhões economizados, os ganhos referentes ao custo evitado com geração térmica para se preservar os padrões de segurança do sistema resultaram em benefícios econômicos de R$ 125 milhões, somente com a redução de geração térmica, no período outubro/2013 a fevereiro/2014.

Mais R$ 280 milhões economizados foram referentes ao custo evitado pela redução do valor da carga esperada para a ponta do Sistema Interligado Nacional, de 2.565 MW, que teria que ter sido atendido por geração térmica.

Os números indicam, ainda, que a redução de energia de 295 MW médio representa 0,5% da carga dos subsistemas envolvidos, dos quais 220 MW correspondem ao Subsistema Sudeste/Centro-Oeste e 75 MW ao Subsistema Sul, equivalendo a 8% do consumo mensal da cidade do Rio de Janeiro e 14% do consumo mensal de Curitiba, respectivamente.
Tags:

Esta matéria tem: (3) comentários

Autor: Bartonoleu Dias da Silva
Grande economia com esta palhaçada de horario de verão!? Se é que é pela economia mesmo, poderiam economizar muito mais deminuindo as "farras" com o dinheiro público e combatendo a corrupção e os cheques corporativos, etc., etc.,...!!! | Denuncie |

Autor: Márcio Rosa
SENHORES EDITORES DO CORREIOS, ESTE HORÁRIO DE VERÃO ACABA É AS ZERO HORAS DE SÁBADO E NÃO NO DOMINGO COMO PUBLICADO NESTA MATÉRIA. OU AS REDES DE TV ESTÃO ERRADAS E CORRETOS SÃO VOCES? | Denuncie |

Autor: Imelton Azevedo
O Governo do PT destinou, através do BNDES o valor de US$ 1bilhão dólares para o Porto de Mariel em Cuba. Pela cotação de hoje, cerca de R$ 2 bilhões e 380 milhões de reais. Esses políticos, fazem toda a população brasileira alterar seu rítmo de vida durante 4 meses por apenas 405 milhões de reais? | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas