Economia
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Financiamento de veículos tem queda pelo segundo ano seguido: 5,6% em 2013 A redução em termos de valores se deve ao aumento das campanhas subsidiadas, que oferecem taxa zero, valor de entrada mais elevado e prazos mais curtos para o pagamento

Agência Brasil

Publicação: 20/02/2014 15:26 Atualização:

O saldo dos financiamentos de veículos no país no ano passado ficou em R$ 228,6 bilhões, queda de 5,6% na comparação com o ano anterior, quando o montante havia sido R$ 242,2 bilhões. É o segundo ano consecutivo de redução no saldo de financiamentos. Em 2011 o somatório das carteiras chegou a R$ 244,9 bilhões. Os dados foram divulgados hoje (20) pela Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras (Anef).

De acordo com o presidente da entidade, Décio Carbonari, a redução em termos de valores se deve ao aumento das campanhas subsidiadas, que oferecem taxa zero, valor de entrada mais elevado e prazos mais curtos para o pagamento. "As promoções de taxa zero diminuem o valor médio dos financiamentos", disse.

Leia mais notícias em Economia


Em termos de performance dos financiamentos, por sua vez, houve melhora, já que as vendas à vista caíram de 39% em 2012 para 37% no ano passado. Outro fator positivo para o setor é a manutenção da queda da inadimplência. Na modalidade Crédito Direto ao Consumidor (CDC) para pessoa física, em 2013, o índice foi 5,2%, redução de 1,2 ponto percentual na comparação com 2012, considerando a inadimplência por mais de 90 dias. "A inadimplência vem caindo há dois anos e segue essa tendência", destacou o presidente da Anef.

O acumulado de valores liberado para as modalidades de CDC e leasing somou R$ 117,5 bilhões, queda de 1% em relação a 2012. Entre os contratos firmados em 2013, a média de prazos para pagamentos foi 42 meses, sendo que os planos máximos oferecidos foram 60 meses. Em 2012, a média havia sido 43 meses.

Diante de um cenário de incógnita na economia, como definiu Carbonari, a projeção para este ano é que seja mantido o valor alcançado em 2013, de R$ 228,6 bilhões. O valor liberado também deve ser o mesmo em 2014, de R$ 117,5 bilhões. "Não começamos este ano com confiança, acreditando num crescimento expressivo", disse Carbonari.

A Anef representa 15 marcas dos segmentos de automóveis, ônibus, caminhões e motocicletas.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas