publicidade

Austrália, anfitriã do G20, pede as BCs que evitem surpresas

O ministro da Fazenda do Brasil, Guido Mantega, não viajou a Sydney

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 22/02/2014 10:11

France Presse

SYDNEY - A Austrália, país anfitrião da reunião do G20 que acontece este fim de semana em Sydney, pediu neste sábado (22/2) aos bancos centrais que evitem "surpresas" em suas políticas monetárias, para evitar as turbulências nos países emergentes.

A retirada progressiva dos estímulos do Federal Reserve (Fed) à economia americana e seus efeitos sobre as moedas e Bolsas dos mercados emergentes são uma preocupação central nesta reunião de ministros da Economia e presidentes de BCs do G20, o grande fórum mundial de países desenvolvidos e emergentes.

"Nosso lema deve ser 'nada de surpresas' com as políticas monetárias. E os bancos centrais devem evitar de forma razoável decisões futuras suscetíveis de causar volatilidade nos mercados", declarou o ministro australiano do Tesouro, Joe Hockey.

O ministro da Fazenda do Brasil, Guido Mantega, não viajou a Sydney.

A redução gradual das compras mensais de ativos pelo Fed e as expectativas de um aumento das taxas americanas (atualmente próximas de zero) estimulam os investidores a retirar seus capitais dos países emergentes para repatriá-los aos Estados Unidos.

Nos últimos meses, este fenômeno, aliado a outros internos, provocou fortes desvalorizações das moedas da Argentina, Brasil, África do Sul, Turquia, Rússia e Índia.

As divisas mais atacadas são as dos países com políticas ou economias que provocam mais dúvidas.

Por este motivo, Estados Unidos, Grã-Bretanha e outros países ricos, além do Fundo Monetário Internacional (FMI), pediram nos últimos dias aos emergentes que "coloquem ordem na casa".
 
 

publicidade

Tags:
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade