Economia
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Produtores condenam Índia por subsídio às exportações de açúcar Pela decisão, anunciada no último dia 12, a Índia irá, a partir de 31 de março de 2014, subsidiar com 53,52 dólares (cerca de R$ 150) a tonelada de açúcar bruto produzido para exportação

Agência Brasil

Publicação: 26/02/2014 16:52 Atualização:

A União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica) demonstrou preocupação com o anúncio feito pela Índia, segundo maior produtor de açúcar do mundo, de aumentar os subsídios para a exportação do produto. Pela decisão, anunciada no último dia 12, a Índia irá, a partir de 31 de março de 2014, subsidiar com 53,52 dólares (cerca de R$ 150) a tonelada de açúcar bruto produzido para exportação.

“Além de contrariar compromissos daquele país perante a Organização Mundial do Comércio (OMC), é a forma mais prejudicial de apoio à indústria. Ao subsidiar as exportações do açúcar, os indianos poderão distorcer ainda mais os preços da commodity no mercado internacional, altamente sensível, devido aos elevados volumes de estoques”. De acordo com a entidade, o preço internacional do açúcar caiu mais de 50% nos últimos dois anos.

Leia mais notícias em Economia

Em 2013, o açúcar foi o quinto item na pauta brasileira de exportações, gerando US$ 12 bilhões em divisas para o país. Na atual safra (de abril de 2013 a março de 2014), a produção de açúcar chegou a 34,2 milhões de toneladas, 0,57% superior ao resultado do mesmo período na safra anterior.

“Esta política [de subsídio] tem por objetivo viabilizar a exportação de excedentes de açúcar da Índia, o que não aconteceria sem o subsídio anunciado. Estas exportações, em um mercado com o maior nível de estoques mundiais dos últimos anos, podem reduzir ainda mais os preços, prejudicando não somente a indústria dos países produtores e exportadores, como também os produtores rurais, que tem sua remuneração vinculada à da indústria”, diz o texto da Unica.

A entidade acrescenta que, em razão dos subsídios indianos, os produtores de países como Tailândia, Austrália, Colômbia, Guatemala e o Brasil serão forçados a reduzir sua produção para ajustar a oferta internacional nas próximas safras, ou, arcar com os prejuízos em função dos preços baixos.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas