publicidade

PIB cresce 2,3% em 2013 e acaba com ameaça de recessão no Brasil

Contudo, mesmo com o crescimento maior do PIB neste ano, a taxa média de expansão do PIB durante o governo Dilma está em 2% ao ano - o pior resultado desde o governo Collor

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 27/02/2014 09:05 / atualizado em 27/02/2014 09:31

Vicente Nunes /Correio Braziliense

O Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 2,3% em 2013, puxado pelo consumo das famílias e pelo consumo do governo - a informação foi divulgada nesta quinta-feira (27/2), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No 4º trimestre do ano, o PIB avançou 0,7%, afirmam as estimativas do mercado. Foi um alívio para o governo, pois havia a perspectiva de retração na atividade, o que levaria o país para recessão.

No 4º trimestre de 2013, os serviços também contribuíram para o avanço do PIB, com crescimento de 0,7%. Já a agropecuária teve variação nula e a indústria, retração de 0,2%.  O consumo das famílias apontou incremento de 0,7%, o consumo do governo expandiu em 0,8% e os investimentos, 0,3%. Do acumulado do ano, o PIB foi impulsionado pela agropecuária, com crescimento de 7%;  pelo consumo das famílias, com avanço de 2,3%; e pelos investimentos com alta de 6,3%.

Leia mais notícias em Economia

O Palácio do Planalto recebeu com euforia o resultado do PIB, sobretudo pelo fato de o país não ter entrado em recessão, tirando importe munição da oposição para atacar a presidente Dilma Rousseff em ano de eleição. De qualquer forma, mesmo com o crescimento maior do PIB neste ano, a taxa média de expansão do PIB durante o governo Dilma está em 2% ao ano - o pior resultado desde o governo Collor.

O Planalto já orientou o ministro da Fazenda, Guido Mantega, a capitalizar o resultado do PIB, afirmando que a economia está em franca recuperação. O discurso é uma resposta ao pessimismo que tomou conta do país.

publicidade

publicidade