publicidade

Crise na Ucrânia ameaça emergentes, mesmo os mais distantes como o Brasil

Fuga de capitais dos mercados mais instáveis em direção aos Estados Unidos tende a se agravar nos próximos dias

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 04/03/2014 06:50 / atualizado em 03/03/2014 23:37

Victor Martins , Rosana Hessel

Danilson Carvalho/CB/D.A. Press


A guerra iminente entre russos e ucranianos começa a espalhar prejuízos. Para analistas, os mercados emergentes, mesmo os mais distantes da região, como o Brasil, sofrem grande risco de contágio. As consequências de um possível combate, além das vidas perdidas, ultrapassam as fronteiras, impõem o arrefecimento da atividade econômica e a fuga de capitais aos Estados Unidos, e fazem disparar o preço do petróleo. Ontem, as principais bolsas de valores do mundo fecharam no vermelho, motivadas pelo receio de uma escalada da violência e de sanções do Ocidente à nação comandada por Vladimir Putin. No pregão, a Rússia perdeu US$ 60 bilhões ao amargar uma queda de 11,3% nas ações, o maior tombo dos últimos cinco anos. O rublo, a moeda nacional, se desvalorizou frente ao dólar.

Leia mais notícias em Economia

Só amanhã, quarta-feira de cinzas, quando o mercado brasileiro reabre, será possível saber qual será a cota de sacrifício do país nessa primeira rodada de estragos. Na avaliação de Neil Shearing, economista-chefe para Mercados Emergentes da consultoria britânica Capital Economics, as consequências da crise na Ucrânia poderão ser “bastante severas”. “Mas assumindo que o conflito militar seja evitado, a queda nos mercados poderá ser temporária. Mesmo assim, é um vento contrário às economias emergentes”, disse ele ao Correio.

Tony Volpon, diretor executivo e chefe de Pesquisas para Mercados Emergentes das Américas do Nomura Securities, em Nova York, explicou que, para os investidores, os países em desenvolvimento são “ativos de risco” com muitas semelhanças. Se um começa a ter problemas, isso pode contaminar os outros. Ele pondera, no entanto, que, se a situação não se agravar até amanhã, o Brasil poderá se livrar de maiores consequências relacionadas ao conflito.
 
A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade