SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Turistas brasileiros que viajam pelo país reclamam de preços inflacionados

Os empresários do segmento turístico não têm do que se queixar, mas boa parte das pessoas que quiseram curtir a folia amargam más recordações

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 06/03/2014 06:03 / atualizado em 06/03/2014 08:32

Guilherme Araújo

Maurenilson/CB/D.A.Press


O carnaval deste ano foi uma prévia do que os brasileiros e os turistas estrangeiros terão de enfrentar durante a Copa do Mundo de futebol. Nos destinos turísticos mais procurados durante a festa de momo — Rio de Janeiro, Salvador e Recife — e em outras capitais que também serão cidades sedes do evento esportivo, o que se viu foi, sobretudo, preços abusivos. Os empresários do segmento turístico não têm do que se queixar, mas boa parte das pessoas que quiseram curtir a folia amargam más recordações.

Leia mais notícias de Economia

O Ministério do Turismo ainda não divulgou o consolidado dos números do carnaval 2014, mas estima que a maior festa popular do Brasil atraiu cerca de 6,6 milhões de viajantes e acrescentou R$ 6,1 bilhões à economia do país, projeção entre 6% e 7% maior que a do ano passado. Para o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH), Enrico Torquato Fontes, a ocupação hoteleira foi tão boa nos principais destinos turísticos que muitas pessoas tiveram de procurar outro tipo de hospedagem.

A ABIH do Rio de Janeiro projeta que, entre o 1,2 milhão de pessoas que visitou os destinos mais procurados da região, o movimento foi dividido entre 70% de brasileiros e 30% de estrangeiros. “A ocupação estimada é de 80%, o que representa uma queda de quase 10 pontos percentuais em relação ao ano passado”, destacou o presidente da ABIH-RJ, Alfredo Lopes. Ele explicou, no entanto, que a desaceleração era esperada, uma vez que a cidade está aumentando a oferta hoteleira. “Só do fim de 2012 para cá, foram quase 5 mil novos leitos entrando em operação”, justificou.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.
Tags:

publicidade

publicidade