publicidade

Intenção de contratar sobe no Norte e Nordeste e cai nas demais regiões

Dados foram divulgados pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) nesta quinta-feira (6/2)

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 06/03/2014 12:44

Agência Brasil

As regiões Norte e Nordeste foram as únicas que tiveram variação positiva de janeiro para fevereiro na intenção de contratação dos empresários do comércio, de acordo com dados divulgados nesta quinta-feira (6/2) pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). As regiões Sul, Centro-Oeste e Sudeste puxaram a queda nacional de 5%. O Norte teve alta de 0,9% em fevereiro sobre janeiro e o Nordeste ficou praticamente (0,1%).

A pesquisa ouviu tomadores de decisão de 6 mil empresas de todas as capitais do país, para a elaboração do Índice de Confiança do Empresário do Comércio. O Icec é composto pelas avaliações dos empresários em relação à condição atual e às expectativas para a economia, o setor de atuação da própria empresa, e intenção de investir na contratação de funcionários, estoques e na empresa.

"A gente observa que essas duas regiões são as que os empresários estão mais confiantes. Esse índice de confiança do empresário é totalmente contaminado pelo comportamento das vendas, e o Nordeste e o Centro-Oeste apresentaram crescimento das vendas acima da média nacional em dezembro", avaliou o economista Fábio Bentes, da CNC.

Apesar da alta em relação a janeiro, os subíndices do Norte e do Nordeste acompanharam as demais regiões na queda sobre fevereiro do ano passado, com recuos de 1,1% e 3,1%.

Leia mais notícias em Economia

A queda mais forte registrada em relação a janeiro foi a do Sudeste, de 10,4%, seguida pela do Centro-Oeste (-4,8%), e pela do Sul, (-2,4%). Já diante dos resultados do ano anterior, o Centro-Oeste caiu 5%, o Sudeste, 1,9% e o Sul, 1,3%, enquanto o Brasil apresentou variação negativa média de 2,5%. "O Sudeste tem tido resultados abaixo da média nacional nas vendas, e o comércio tem tido crescimentos mais fracos. Como a confiança é contaminada pelas vendas, esse dado sugere que as vendas não devem ter ido bem em fevereiro", analisa Bentes.

Ainda que o subíndice de intenção de contratação tenha apresentado a maior variação negativa entre os 12 que compõem a pesquisa, 54% dos empresários ouvidos manifestaram intenção de aumentar pouco seu quadro de funcionários, enquanto 13,4% declararam que pretedem aumentar muito. Esse total de 67,4% fica mais de cinco pontos percentuais abaixo dos 72,7% que tinham intenção de contratar em janeiro. Dos empresários ouvidos em fevereiro, 26,6% querem reduzir pouco, e 6,1%, reduzir muito o número de empregados. Com esse resultado, a CNC projeta que 351 mil postos de trabalho sejam gerados no varejo em 2014.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade