publicidade

União Europeia multa empresas em mais de 950 milhões de euros por cartel

Duas companhias de autopeças europeias e três japonesas foram afetadas. Outra empresa japonesa que também participou no cartel recebeu imunidade por ter revelado a existência do acordo secreto

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 19/03/2014 09:38

France Presse

A Comissão Europeia decidiu impor uma multa de 953 milhões de euros a cinco fabricantes de rolamentos para automóveis e caminhões, que estabeleceram um acordo para fixar os preços durante mais de sete anos e e influenciar o preço do aço. A multa afeta duas empresas europeias e três japonesas. Outra empresa japonesa que também participou no cartel recebeu imunidade por ter revelado a existência do acordo secreto.

Esta é a sexta maior multa aplicada pela Comissão na história a um grupo de empresas que participaram em um cartel. "Os cartéis no mercado de autopeças de automóveis podem reduzir a competitividade na indústria automotiva e inflar artificialmente os preços", afirmou o comissário europeu para Concorrência, Joaquín Almunia.

Leia mais notícias em Economia

Os veículos contêm muitos rolamentos, para as rodas, a caixa de câmbio, a transmissão, o alternador ou o compressor de climatização, destacou a Comissão. As empresas japonesas JTEKT, NSK, NFC e NTN, assim como a alemã Schaeffler e a sueca SKF, elaboraram uma "estratégia tarifária secreta no mercado durante mais de sete anos, de abril de 2004 a julho de 2011, no conjunto do Espaço Econômico Europeu (EEE)".

A Comissão calcula que o mercado de rolamentos na União Europeia representa, no mínimo, dois bilhões de euros por ano. A empresa japonesa JTEKT, que teve a multa definida em 86 milhões de euros, recebeu imunidade por ter revelado o acordo entre as empresas.

A NSK foi multada em mais EUR 62 milhões, a NFC em quase quatro milhões, a sueca SKF em 315 milhões, a alemã Schaeffler em mais de 370 milhões e a japonesa NTN em 201 milhões de euros. Todas receberam desconto de 10% porque concordaram em resolver o litígio com o pagamento à Comissão, segundo o Executivo europeu.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade