publicidade

Pacote para evitar racionamento de energia deixa mais dúvidas que certezas

Economistas de instituições financeiras estão reticentes quanto à eficiência das medidas anunciadas pelo governo para sanar a crise de energia no Brasil

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 21/03/2014 08:48

Rosana Hessel

Iano Andrade/ CB/ D.A Press

O governo bem que tentou, mas não conseguiu convencer os economistas de que o pacote para evitar o racionamento de energia e o aumento da conta de luz é factível. Depois de uma reunião com os secretários de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Marcio Holland, e do Tesouro Nacional, Arno Augustin, ontem, em Brasília, 13 representantes de instituições financeiras saíram convencidos de que há mais dúvidas do que certezas sobre os rumos do setor elétrico. O principal questionamento é sobre como será paga a conta de mais de R$ 21 bilhões que será sustentada pelos contribuintes e por empréstimos bancários.
  
Das duas horas de reunião, uma e meia foi conduzida por Augustin. Ele detalhou como os recursos serão usados para tentar fechar a conta do setor, que tem registrado deficits cada vez maiores por causa da necessidade de ativação prolongada das térmicas em função do baixo nível dos reservatórios das hidrelétricas. Do montante destinado ao socorro, R$ 13 bilhões serão em aporte do Tesouro Nacional na Conta de Desenvolvimento Elétrico (CDE) — volume dos quais R$ 9 bilhões já estavam previstos no Orçamento de 2014. Os R$ 8 bilhões restantes serão captados no mercado pela Câmara de Comércio de Energia Elétrica (CCEE), e o gasto com a operação será repassado à tarifa em 2015.

Leia mais notícias em Economia

Os economistas acreditam, porém, que o custo desse empréstimo será alto e pesará bastante no bolso do consumidor no ano que vem, sobretudo por causa do movimento de alta dos juros. O economista-chefe da Opus Gestão de Recursos, José Márcio Camargo, argumentou que as distribuidoras não têm garantias para fazer os empréstimos e ressaltou que, para que isso ocorra, seria necessário mudar a regulamentação de modo que elas possam oferecer os recebíveis como garantia. Camargo disse ainda que os secretários do governo reiteraram a afirmação do ministro da Fazenda, Guido Mantega, de que não haverá reajustes da tarifa de energia elétrica neste ano. Outro economista que participou do encontro e pediu anonimato comentou que a desconfiança do setor financeiro em relação à política do Planalto ainda não foi dissipada com o encontro, mas ponderou que ele foi positivo.

 A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade