publicidade

Conta do bar ficará mais cara com elevação da tributação sobre cerveja

Ação do governo tem como objetivo engordar o caixa do Tesouro e permitir subsídio às tarifas de energia

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 26/03/2014 06:01 / atualizado em 26/03/2014 15:09

Bárbara Nascimento , Guilherme Araújo

Iano Andrade/CB/D.A Press


O governo estuda aumentar ainda mais os impostos sobre vários setores da economia brasileira. O objetivo é engordar a receita para permitir que o Tesouro Nacional tenha condições de repassar os R$ 4 bilhões anunciados pelo Ministério da Fazenda para a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE). Dessa forma, alguns produtos — importados, bebidas frias (cervejas, refrigerantes, isotônicos e água) e cosméticos — devem chegar mais caros aos consumidores.

Leia mais notícias de Economia

O secretário adjunto da Receita Federal, Luiz Fernando Teixeira, afirmou que os estudos para viabilizar o aumento de PIS/Cofins do setor de importados e de cosméticos e do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) sobre bebidas já foram finalizados. Agora, só falta o anúncio do governo.

“Não temos como dizer (todos os setores que vão ter aumento de imposto) porque a Receita trabalha por demanda. O órgão já apresentou algumas estimativas e cálculos para o ministro Guido Mantega”, explicou. “O ministro já antecipou sobre os setores de cosméticos e bebidas frias. Não estou afirmando que vai aumentar, mas os estudos estão finalizados e estamos prontos para uma decisão”, completou.

O casal Rogério Kohler e Silvia Peixoto não gostou da notícia sobre a alta da cerveja. “Tudo aumenta, menos o salário”, disse Rogério. “Os brasileiros têm que ir para a rua e protestar”, desabafou.

A matéria completa está disponível aqui para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Assista à reportagem da TV Brasília

publicidade

publicidade